Quiz História (4º Bimestre)

34 Questions | Total Attempts: 897

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Quiz Histria (4 Bimestre)


Questions and Answers
  • 1. 
    O fracasso das Capitanias Hereditárias fez o governo português criar, em 1548, o Governo-Geral. A respeito desse período, analise as afirmativas a seguir.I - Um dos principais objetivos da criação do Governo-Geral era centralizar a administração da Colônia, que estava sob a ameaça de invasão por outros povos europeus.II - O Governador-Geral era a maior autoridade. Ele nomeava pessoas de sua confiança para auxiliar na administração colonial.III - As leis a serem aplicadas eram aprovadas pelos “homens bons”, proprietários de terras que participavam da Câmara dos Vereadores. De acordo com a sua análise, assinale a alternativa correta. O fracasso das Capitanias Hereditárias fez o governo português criar, em 1548, o Governo-Geral.A respeito desse período, analise as afirmativas a seguir. 
    • A. 

      Todas as afirmativas são verdadeiras.

    • B. 

      Todas as afirmativas são falsas.

    • C. 

      Apenas as afirmativas I e II são verdadeiras.

    • D. 

      Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras

  • 2. 
    Uma das principais características do Brasil Colonial foi a economia açucareira, isso porque os portugueses já conheciam o comércio açucareiro e, para obter recursos para a construção dos engenhos, aliaram-se aos holandeses.
    • A. 

      Verdadeira

    • B. 

      Falsa

  • 3. 
    Com o estabelecimento do Governo-Geral novas vilas surgiram na região litorânea. A respeito das primeiras vilas e cidades, assinale as afirmativas verdadeiras.
    • A. 

      As primeiras vilas e cidades se concentraram na região litorânea para evitar as invasões estrangeiras.

    • B. 

      As cidades cresceram seguindo as estruturas da Europa medieval, com vilarejos em torno de Igrejas e ruas estreitas.

    • C. 

      As cidades eram espécies de fortalezas preparadas para invasões indígenas e de exploradores de países europeus em busca de colônias no continente.

    • D. 

      As festas religiosas eram os principais momentos de encontro das populações que moravam nas vilas e cidades.

    • E. 

      As cidades que estavam mais próximas aos portos tinham um comércio de escravos e cresceram sem planejamento urbano

  • 4. 
    Leia com atenção ao texto do historiador Laurence Bergreen.Em 7 de junho de 1494, o papa Alexandre VI dividiu o mundo ao meio [...]. As coisas teriam sido diferentes se o pontífice não fosse espanhol. [...] Alexandre VI foi um papa secular, um dos homens mais ricos e ambiciosos da Europa, muito ligado às suas diversas amantes e à sua prole ilegítima, e dotado de energia e capacidade suficiente para entregar-se às suas paixões mundanas. Ele usou todo o peso de sua autoridade para satisfazer os apelos dos reis espanhóis Fernando e Isabel.BERGREEN, Laurence. Além do fim do mundo: uma circunferência aterradora de Fernão de Magalhães. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. p. 27. Glóssário: pontífice: papa. secular: pouco ligado a religiosos. ilegítima: que nasceu for de casamento. mundana: referente ao mundo material. O texto se refere a um acordo diplomático mediado pelo papa Alexandre VI. Que acordo foi esse?
    • A. 

      O Tratado de Tordesilhas, que dividia as terras em “descobertas e por descobrir” entre Espanha e Portugal, tendo como ponto de referência o arquipélago de Cabo Verde;

    • B. 

      O Tratado de Verdun, que dividia a França entre os netos de Carlos Magno após o falecimento dele;

    • C. 

      O Tratado de Valois, que colocava a dinastia de Valois no poder da Espanha no lugar dos Habsburgo;

    • D. 

      O Tratado de Madrid, que dava fim aos conflitos entre católicos e muçulmanos;

    • E. 

      A Bula Inter Coetera, que dividia as áreas de navegação do Atlântico entre portugueses e ingleses.

  • 5. 
    Observe uma imagem do Cabo da Boa Esperança, no extremo sul da África, que separa o Oceano Atlântico do Índico. Esse lugar foi chamado de Cabo das Tormentas pelo navegador Bartolomeu Dias, que o transpôs em 1488. Posteriormente, esse nome foi mudado, provavelmente pelo rei português D. João II, para Cabo da Boa Esperança, por considerar que seria mais apropriado. O navegador Vasco da Gama, em 1498, também conseguiu transpor esse ponto e chegar às Índias.Por qual razão transpor o Cabo das Tormentas significava uma “boa esperança” para os portugueses?
    • A. 

      Porque, ao transpor esse ponto, que era o extremo sul da África, aumentavam-se as possibilidades portuguesas de encontrar uma rota alternativa para o Oriente.

    • B. 

      Porque significava que os portugueses haviam concluído o périplo africano, objetivo final das Grandes Navegações.

    • C. 

      Porque representava a certeza de que os navegadores portugueses encontrariam novas terras onde poderiam obter metais como ouro e prata.

    • D. 

      Porque os portugueses poderiam negociar diretamente com os genoveses e venezianos, os quais dominavam o comércio de especiarias no Mediterrâneo.

    • E. 

      Porque comprovava que Cristóvão Colombo não havia chegado às Índias e, assim, demonstrava a supremacia dos navegadores portugueses em relação aos espanhóis.

  • 6. 
    Leia com atenção o texto a seguir.Depois que os portugueses estabeleceram entrepostos na costa ocidental da África, o estímulo fornecido pelo comércio da malagueta africana inspirou o infante D. Henrique a intensificar as explorações terrestres, com o objetivo de abrir caminho à construção de um império lusitano da pimenta. O objetivo maior era participar do lucrativo comércio da pimenta indiana, mais cara e de melhor aceitação que a malagueta.RAMOS, Fábio Pestana. No tempo das especiarias: o Império da pimenta e do açúcar. São Paulo: Contexto, 2006. p. 101.Glossário:malagueta: tipo de pimenta.lusitano: português.Os portugueses buscavam chegar ao Oriente para:                                    
    • A. 

      Aumentar seu comércio e também os lucros dos comerciantes e do Estado.

    • B. 

      Interromper o comércio da pimenta malagueta com os indianos; expulsar os comerciantes de Gênova e Veneza do Mar Mediterrâneo.

    • C. 

      Conquistar novas terras, vencendo a disputa com a Espanha.

    • D. 

      Promover ações diplomáticas que levassem a paz aos conflitos entre China e Japão.

  • 7. 
    Leia com atenção o trecho de um documento escrito em 1499, após a viagem de Vasco da Gama ao Oriente.Toda Veneza ficou surpreendida e se alarmou. Os mais sisudos diziam que era a pior notícia que podia chegar-lhes. De fato, toda a gente sabia que Veneza tinha obtido o seu prestígio e a sua riqueza unicamente graças ao seu comércio marítimo que lhe proporcionava cada ano uma grande quantidade de especiarias, de tal maneira que os comerciantes estrangeiros afluíam para comprá-las.MARQUES, Adhemar; BERUTTI, Flávio; FARIA, Ricardo. História moderna através de textos. São Paulo: Contexto, 2014. p. 69-70. (Coleção Textos e Documentos) v. 3.A chegada portuguesa à Índia teve como consequência para os comerciantes italianos:  
    • A. 

      O fim da supremacia de Gênova e Veneza no comércio de especiarias.

    • B. 

      O fortalecimento do comércio deles;

    • C. 

      A inevitável aliança comercial com os países ibéricos;

    • D. 

      Prosperidade, já que a burguesia italiana financiou as viagens portuguesas;

  • 8. 
    Assinale as alternativas que apresentam os fatores que contribuíram para o fracasso das capitanias hereditárias.
    • A. 

      Falta de recursos de alguns donatários. Medo das invasões espanholas. Resistência indígena. Grande extensão de terras a serem administradas. Doenças tropicais Possibilidade de não encontrar nenhuma riqueza. Falta de recursos de alguns donatários. Medo das invasões espanholas. Resistência indígena. Grande extensão de terras a serem administradas. Doenças tropicais Possibilidade de não encontrar nenhuma riqueza. Falta de recursos de alguns donatários.

    • B. 

      Medo das invasões espanholas.

    • C. 

      Resistência indígena.

    • D. 

      Grande extensão de terras a serem administradas.

    • E. 

      Doenças tropicais.

    • F. 

      Possibilidade de não encontrar nenhuma riqueza.

  • 9. 
    A respeito do início da colonização brasileira analise as afirmativas abaixo: I – O declínio do comércio com o Oriente, a diminuição do preço do açúcar e o fato dos portugueses encontrarem ouro na região de São Paulo foi o que motivou o rei de Portugal a colonizar as terras brasileiras. II – A primeira proposta do governo foi enviar as primeiras famílias em uma expedição organizada por Martim Afonso de Sousa. Essa expedição trouxe também, rebanhos e as primeiras mudas de cana-de-açúcar. Inicialmente essas famílias se estabeleceram num local denominado Vila de São Vicente. III – A Vila de São Vicente prosperou e acabou tornando-se uma das rendas mais importantes para a Coroa portuguesa e, imediatamente, foi nomeada como a primeira capital do Brasil.
    • A. 

      Apenas a afirmativa II é verdadeira.

    • B. 

      Apenas a afirmativa I é verdadeira.

    • C. 

      Apenas a afirmativa III é verdadeira.

    • D. 

      As afirmativas II e II são verdadeiras.

    • E. 

      Todas as afirmativas são falsas.

  • 10. 
    No início do século XVI, a realeza portuguesa investia boa parte das riquezas que obtinha no comércio marítimo:
    • A. 

      Em festas com muito luxo e ostentação;

    • B. 

      No fortalecimento da economia de Portugal;

    • C. 

      Na formação de uma administração mais eficiente;

    • D. 

      Na produção de mercadorias que pudessem ser comercializadas no Oriente;

    • E. 

      Em medidas que promovessem mais igualdade social.

    • F. 

      Em medidas que promovessem mais igualdade social.

  • 11. 
    Com relação à política colonial da Coroa Portuguesa nas primeiras décadas do século XVI, assinale a afirmativa correta. 
    • A. 

      Portugal estava particularmente interessado no comércio com a Índia, que garantia bons lucros com as especiarias.

    • B. 

      Portugal abandonou o seu projeto de expansão marítima para expulsar os muçulmanos do seu território.

    • C. 

      A Coroa portuguesa determinou a ocupação e colonização do território brasileiro, pois a extração de pau-brasil exigia grande quantidade de mão de obra de colonos portugueses.

    • D. 

      Com a descoberta de grandes quantidades de metais preciosos no Brasil, os portugueses passaram a ocupar e colonizar a região.

    • E. 

      A Corte portuguesa aboliu o regime absolutista de seu Estado e a economia mercantilista, retornando ao modelo feudal de sociedade, que foi implantado também na Colônia.

  • 12. 
    Povoar o Brasil fazia-se urgente. A acintosa presença francesa obrigava uma tomada de posição. Por outro lado, o comércio com as Índias custara caro ao tesouro real, mas fizera a fortuna de muitos comerciantes capazes de aplicá-la em outros negócios que lhes parecessem rentáveis.DEL PRIORE, Mary, VENANCIO, Renato. Uma breve história do Brasil. São Paulo: Planeta, 2010. p. 22.Qual foi o motivo que levou à crise do comércio de Portugal com as Índias? 
    • A. 

      O alto custo dessas viagens ultramarinas;

    • B. 

      A Peste Negra;

    • C. 

      A Guerra dos Cem Anos;

    • D. 

      A diminuição da exploração de pau-brasil;

    • E. 

      As guerras e os conflitos entre Japão e China.

  • 13. 
    Leia com atenção o texto a seguir.Constituíram a forma de administração inicial dos domínios atlânticos portugueses, primeiro nas ilhas atlânticas e depois no Brasil e em Angola. O sistema tinha como modelo o antigo senhorio português de fins da Idade Média, então ajustado ao contexto ultramarino. Consistia na concessão real de largos domínios, proventos e privilégios a particulares, incluindo atributos de soberania, como direito de fundar povoações, nomear funcionários, cobrar impostos e administrar a justiça. O sistema oferecia a vantagem de promover a exploração das colônias sem ônus para o Estado.VAINFAS, Ronaldo. Dicionário do Brasil Colonial (1500 – 1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. p. 92.De que trata o texto?
    • A. 

      Das Capitanias Hereditárias.

    • B. 

      Das feitorias.

    • C. 

      Das primeiras vilas e cidades coloniais.

    • D. 

      Da dificuldade portuguesa de estabelecer uma administração na Colônia.

    • E. 

      Do feudalismo.

  • 14. 
    Leia com atenção o texto a seguir, da historiadora Isabel Lustosa.Já que o pequeno Portugal não tinha recursos para ocupar a terra, dividiu-a em partes e cedeu cada uma ou mais dessas partes a alguns comerciantes portugueses ricos – chamados de donatários – que deveriam investir no desenvolvimento das capitanias. Era um negócio que dependeria dos recursos e do empenho de cada donatário. [...] apenas duas capitanias se desenvolveram razoavelmente: Pernambuco e São Vicente, que depois daria origem ao estado de São Paulo.LUSTOSA, Isabel. A História do Brasil explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012. p. 23.O fato de a capitania de Pernambuco ter conquistado um razoável desenvolvimento se deve ao fato de ter: 
    • A. 

      Investido na plantação de cana-de-açúcar e na produção de açúcar.

    • B. 

      Realizado acordos com os indígenas, que trabalharam auxiliando os colonizadores.

    • C. 

      Atuado, nas primeiras décadas do século XVI, no tráfico na África.

    • D. 

      Encontrado grandes jazidas de metais preciosos, sobretudo prata.

    • E. 

      Priorizado a exploração de pau-brasil, o que garantia altos lucros ao donatário.

  • 15. 
    Com atenção, leia o texto sobre a tentativa francesa de ocupar as terras da Colônia portuguesa.Negando o Tratado de Tordesilhas, os franceses entraram na colônia várias vezes, duas de maneira mais duradoura. O primeiro projeto de estabelecimento colonial – a França Antártica – foi empreendido por Nicolas Durand de Villegagnon, que desembarcou no Rio de Janeiro em 1555, contando com importante corpo expedicionário formado por soldados e artesãos.SCHWARCZ, Lilia M.; STARLING, Heloisa M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Cia. das Letras, 2015. p. 37.Com base no texto e nos seus conhecimentos, analise as afirmativas a seguir e assinale as verdadeiras.
    • A. 

      Os portugueses classificavam a presença de outras nações no território brasileiro como um ato de invasão.

    • B. 

      A criação de expedições guarda-costas foi uma das medidas tomada pelos portugueses para proteger o território brasileiro da presença estrangeira no século XVI (1501-1600).

    • C. 

      Do ponto de vista da diplomacia europeia, o Tratado de Tordesilhas só não era aceito pela França.

  • 16. 
    A respeito desse mapa, assinale a alternativa correta. 
    • A. 

      Representa a formação de vilas no litoral brasileiro, que foram incentivadas pelas políticas da Coroa portuguesa.

    • B. 

      Representa os pontos onde existiam feitorias que armazenavam o pau-brasil que seria transportado para a Europa.

    • C. 

      Representa os locais de conflitos militares entre indígenas, portugueses, franceses e holandeses.

    • D. 

      Representa os locais onde a produção de cana-de-açúcar foi desenvolvida.

    • E. 

      Representa os locais onde ficavam as sedes dos Governos-Gerais no Brasil e dos Vice-Reinados.

  • 17. 
    Leia com atenção o texto do historiador Charles Boxer sobre como era realizada a eleição dos integrantes da Câmara Municipal no Brasil Colônia As listas de votação trienais eram compiladas confidencialmente por seis representantes eleitos, para esse fim, por uma assembleia de todos os chefes de família abastados e respeitáveis habilitados a votar. Esses indivíduos de reconhecida posição social eram coletivamente chamados de homens bons [...].BOXER, Charles Rauph. O império marítimo português (1415-1825). São Paulo: Cia. das Letras, 2002. p. 287.Os homens bons que participavam das câmaras municipais eram:
    • A. 

      Os ricos e poderosos, normalmente proprietários de terras e ligados a atividades lucrativas como a produção de açúcar;

    • B. 

      Os descendentes de indígenas, considerados pelos portugueses como os herdeiros de direito das terras brasileiras;

    • C. 

      Os chapetones – espécie de juízes portugueses encaminhados para a Colônia com o objetivo de administrar a justiça;

    • D. 

      Os religiosos, que tinham o dever de administrar as vilas e cidades e zelar pela fé dos colonos;

    • E. 

      Todos os homens de origem portuguesa que viviam na Colônia e independentemente do que tinham como posses.

  • 18. 
    Leia com atenção este fragmento de texto do historiador Charles Boxer:[...] uma vez que os holandeses decidiram entrar em guerra no ultramar e atacar os inimigos ibéricos nas possessões coloniais que lhes forneciam recursos econômicos [...] Portugal, como o membro mais fraco das duas coroas, inevitavelmente sofreu mais do que Castela [Espanha] os golpes deflagrados pela potência marítima que lhe era superior.BOXER, Charles Rauph. O império marítimo português (1415-1825). São Paulo: Cia. das Letras, 2002. p. 123.Sobre as relações entre Portugal e Holanda no século XVII, analise as afirmativas a seguir e assinale as verdadeiras.
    • A. 

      Os holandeses invadiram o Brasil Colônia, pois estavam interessados em explorar o ouro e a prata do território.

    • B. 

      Os holandeses estabeleceram povoados no Rio de Janeiro, na Bahia e em Pernambuco.

    • C. 

      Os holandeses que vieram para o Brasil estavam fugindo das perseguições religiosas que sofriam na Holanda.

    • D. 

      O controle de áreas produtoras de açúcar foi um grande motivador para a presença holandesa no Brasil.

    • E. 

      O conde João Maurício de Nassau-Siegen foi um dos principais governantes holandeses a atuar no Brasil.

  • 19. 
    Durante as três primeiras décadas da presença portuguesa na América, a extração de pau-brasil foi a principal atividade econômica.Essa extração:
    • A. 

      Utilizou a mão de obra de povos indígenas que trabalhavam em troca da obtenção de alguns objetos, como facas e machados;

    • B. 

      Precisou de grandes investimentos de Portugal;

    • C. 

      Resultou na formação de vilas e povoamentos portugueses;

    • D. 

      Deu o início ao tráfico de africanos para serem escravizados;

    • E. 

      Só foi viabilizada após a divisão do território em Capitanias Hereditárias.

  • 20. 
    Leia este fragmento de texto.A expedição de Martim Afonso de Sousa (1530) marcou o encerramento da etapa pré-colonial. Foram os resultados dessa viagem, em conjunto com a nova conjuntura oriental e a presença estrangeira no Brasil, que acarretaram a implantação do sistema de capitanias hereditárias.AQUINO, Rubim Santos Leão de et al.  Sociedade brasileira: uma história através dos movimentos sociais. Rio de Janeiro: Record, 2000. p. 157. O texto considera que a efetiva colonização do Brasil está relacionada:
    • A. 

      à ameaça de uma efetiva ocupação da Colônia por outros reinos;

    • B. 

      Aos problemas no território português, que ocorreram por causa da expansão islâmica;

    • C. 

      Ao desinteresse europeu pelo comércio de produtos do Oriente;

    • D. 

      à expansão da colonização espanhola, que desconsiderava os limites do Tratado de Tordesilhas;

    • E. 

      à descoberta de prata na Colônia.

  • 21. 
    A respeito da colonização do Brasil e a produção do açúcar, assinale a(s) alternativa(s) verdadeira(s).
    • A. 

      O açúcar era uma especiaria cara, as primeiras mudas foram trazidas por Martim Afonso de Sousa.

    • B. 

      A produção e o comércio de açúcar despertaram o interesse de holandeses, que invadiram áreas do litoral brasileiro produtoras dessa especiaria.

    • C. 

      A colonização do Brasil era muito cara para os cofres portugueses, a saída encontrada foi privatizar a colonização na adoção do sistema de Capitanias Hereditárias.

    • D. 

      Em troca de ouro, Portugal cedeu vastas áreas do litoral para produtores e comerciantes da Companhia de Comércio das Índias Ocidentais.

    • E. 

      Arraiais e vilas em toda a área produtora de cana-de-açúcar cresceram rapidamente, estimulando a vida urbana na Colônia.

  • 22. 
    Leia com atenção o trecho a seguir.Quando a crescente atividade de colonização portuguesa na década de 1530 deu origem às capitanias e a doação de terras menores (sesmarias), o principal plantio era o da cana-de-açúcar, cultivada em enormes fazendas para aproveitar a economia de escala.SKIDMORE, Thomas E. Uma história do Brasil. São Paulo: Paz e Terra. p. 36.Escolha a afirmativa que está relacionada ao conteúdo do texto.
    • A. 

      A produção do açúcar só seria lucrativa se ocorresse em grande quantidade.

    • B. 

      Era muito fácil se obter a propriedade de terras na Colônia.

    • C. 

      Era preciso ocupar a maior quantidade possível de terras da Colônia, pois eram disputadas com os indígenas.

    • D. 

      Necessitava-se de grande quantidade de terra para abrigar os portugueses que vieram para a Colônia trabalhar no cultivo de cana-de-açúcar.

    • E. 

      Mesmo com as invasões francesas e holandesas, ainda restaram grandes quantidades de terra para os portugueses instalarem os engenhos de açúcar.

  • 23. 
    Leia com atenção o texto a seguir, dos historiadores Stuart Schwartz e James Lockhart.A colheita, ou safra, começava no final de julho e continuava por oito ou nove meses. Durante este período, o engenho fervilhava de atividades. Os escravos cortavam a cana e enchiam com ela os carros de boi, que eram então levados ao engenho propriamente dito. Ali outra equipe de escravos produzia o açúcar de cana sob a direção de técnicos e com a ajuda de artesãos [...]. O processo era difícil e complicado. Primeiro a cana era passada por uma prensa de roletes verticais que, nos grandes engenhos, era movida a água, e nos pequenos, por juntas de bois. O caldo extraído da cana passava então por uma série de tachos, onde era fervido e clarificado até ficar suficientemente limpo para fazer o açúcar. O líquido era despejado em moldes cônicos, colocados em longas filas de pranchas num local especial de secagem. Depois de mais drenagem, que levava de três semanas a um mês, os moldes eram abertos para a retirada do açúcar cristalizado na forma característica de “pão de açúcar”. A melhor qualidade tinha menos impurezas e era, assim, de cor branca. O açúcar marrom (mascavo) era vendido por preço mais baixo [...].SCHWARTZ, Stuart B.; LOCKHART, James. A América Latina na época colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 246.A respeito de como funcionavam os engenhos, analise as afirmativas a seguir e assinale as alternativas verdadeiras. 
    • A. 

      A maior parte da mão de obra utilizada na produção de açúcar era formada por técnicos e artesãos livres.

    • B. 

      A rotina de trabalho no engenho era estafante e as condições bastante precárias.

    • C. 

      Em decorrência das condições de trabalho nos engenhos, a expectativa de vida dos escravizados era baixa.

    • D. 

      Produzir açúcar era um processo simples, que envolvia uma única etapa.

    • E. 

      Ter um engenho demandava altos investimentos em equipamentos e mão de obra.

    • F. 

      A produção de açúcar na parte nordeste do território era feita para atender a demanda de consumo de outras áreas do Brasil.

  • 24. 
    A família e a Igreja eram as duas instituições sociais mais importantes do Período Colonial. Por serem ricas, as famílias proprietárias de engenhos se destacavam das outras.A respeito das famílias da elite colonial, analise as afirmativas a seguir e assinale as afirmativas verdadeiras. 
    • A. 

      O senhor de engenho era considerado chefe da família, e todos deviam obediência a ele.

    • B. 

      Somente o proprietário, a esposa e os filhos dele viviam nos engenhos.

    • C. 

      Quanto mais pessoas dependessem da proteção do senhor de engenho, mais prestígio ele tinha.

    • D. 

      Os filhos e filhas dos senhores de engenho passavam a viver na cidade com sete anos de idade, para se dedicarem aos estudos.

    • E. 

      A sociedade açucareira era caracterizada pela pouca possibilidade de ascensão social.

  • 25. 
    Documento 2 Então, tentei captar essa solidão habitual desenhando uma mãe de família de poucas posses em seu lar, onde a encontramos sentada, como de hábito, sobre sua marquesa [...], lugar que serve, de dia, como sofá fresco e cômodo em um país quente, para descansar o dia inteiro, sentado sobre suas pernas, à maneira asiática.BANDEIRA, Julio; LAGO, Pedro Corrêa do. Debret e o Brasil: obra completa 1816-1831. Rio de Janeiro: Capivara, 2008. p. 176.Documento 3 [...] seu principal cuidado [das mulheres] deve ser instruir e educar os filhos cristãmente, cuidar com diligência das coisas da casa, não sair dela sem necessidade nem sem permissão de seu marido, cujo amor deve ser superior a todos, depois de Deus.BISPO ARCENIAGA [século XVIII]. In:PRIORE, Mary Del. A mulher na História do Brasil: raízes históricas do machismo brasileiro. São Paulo: Contexto, 1992. p. 18-19Glossário:Diligência: caprichoCom base na análise dos documentos e em seus conhecimentos, considere as afirmativas a seguir sobre a vida cotidiana no Brasil e assinale as afirmativas verdadeiras.
    • A. 

      O trabalho escravizado se restringia às atividades rurais de plantio de cana-de-açúcar.

    • B. 

      A escravização era bem aceita pela sociedade, pois comumente até as famílias não tão ricas tinham escravizados.

    • C. 

      No documento 1, o fato de as mulheres livres aparecerem sentadas em móveis e as escravizadas no chão demonstra a hierarquia social que existia na época.

    • D. 

      As mulheres da elite tinham maior liberdade que as mulheres com menos recursos, podendo, até mesmo, participarem da política nas Câmaras Municipais.

    • E. 

      As crianças filhas de mães escravizadas eram também consideradas como propriedade da família senhorial.

Back to Top Back to top