Praticando Um Pouco Mais! 8ª Série / 5ª Etapa / História

10 Questions | Total Attempts: 174

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Praticando Um Pouco Mais! 8 Srie / 5 Etapa / Histria


Questions and Answers
  • 1. 
    Leia o texto a seguir para responder ao que pede a questão. Decreto das Cortes Portuguesas“A 24 de abril de 1821, as Cortes de Lisboa declararam os governos provinciais independentes do Rio de Janeiro, subordinando-os diretamente às Cortes. Antes mesmo que lá chegassem os deputados brasileiros, já tratavam as Cortes, em 29 de setembro de 1821, de assuntos de sumo interesse para o Brasil, decidindo transferir para Lisboa [...] o Conselho da Fazenda, a Junta de Comércio, a Casa de Suplicação e várias outras repartições instaladas no país por d. João VI. Decretava-se a seguir, em 29 de setembro, 1º e 18 de outubro a volta do príncipe regente, nomeando-se para cada província, na qualidade do Poder Executivo, um governador-de-armas, independente das juntas e destacando novos contingentes de tropas para o Rio de Janeiro e Pernambuco.” (COSTA, Emília Viotti da. Introdução do estudo da emancipação política do Brasil. In: MOTA, Carlos Guilherme (org.). Brasil em perspectiva. São Paulo: Difel, 1976.) O texto acima se refere às determinações das Cortes em Portugal, formada quando a família real portuguesa estava no Brasil, que pretendiam eliminar várias ações de autonomia administrativa implantadas por D. João VI na colônia portuguesa da América. Sobre o processo de Independência do Brasil é INCORRETO afirmar que:
    • A. 

      A primeira medida de autonomia econômica realizada por D. João VI foi a abertura dos portos às nações amigas.

    • B. 

      Pela pressão das Cortes portuguesas, o príncipe regente D. Pedro I dirigiu-se a Portugal para prestar contas de suas ações, voltando ao Brasil logo depois para poder realizar a Independência.

    • C. 

      A formação das Cortes obrigou D. João VI a retornar a Portugal, pois ficou receoso de perder o poder na metrópole.

    • D. 

      As Cortes formadas em Portugal foi uma consequência da Revolução Liberal do Porto, de 1820.

  • 2. 
    (PUC-Rio/Adaptada) Nas últimas décadas do século XVIII, ocorreram diversas manifestações de descontentamento em relação ao sistema colonial português na América. Essas manifestações geraram movimentos revolucionários, que chamamos de "Conjurações" ou "Inconfidências", todos fracassados em função da repressão metropolitana. Sobre essas manifestações, é INCORRETO afirmar que:
    • A. 

      A Conjuração Mineira, em 1789, foi a primeira a demonstrar a intenção de ruptura com os laços coloniais e reuniu diversos membros da elite mineradora.

    • B. 

      A Conjuração Baiana, em 1798, também conhecida como "Revolta dos Alfaiates", agrupou entre as lideranças dos revoltosos, mulatos e negros livres ligados às profissões urbanas, principalmente artesãos e soldados.

    • C. 

      A influência externa se fez de modo diferente: enquanto a Conjuração Mineira tomou como exemplo o período do "Terror robespierrista" da Revolução Francesa, a Conjuração Baiana teve como exemplo os ideais expressos na Independência norte-americana.

    • D. 

      As conjurações foram influenciadas pelas experiências europeias e norte-americana, que se difundiram nas regiões coloniais por meio de livros importados, de pequenos jornais elaborados localmente e de discussões nas casas e ruas de Ouro Preto, Salvador ou Rio de Janeiro.

  • 3. 
    (UFPE/Adaptada) Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal, dirigiu durante 27 anos a vida política e econômica de Portugal como ministro do Rei D. José I. Em relação à atuação de Pombal, leia as seguintes afirmações:I - Durante o seu governo, foram criadas comissões encarregadas de fazer a demarcação das fronteiras entre terras do domínio português e terras do domínio espanhol, no continente americano.II - Na sua luta contra os jesuítas, Pombal tentou atingi-los estendendo a lei de liberdade dos índios (1755) a todo o Brasil.III - O antijesuitismo, desenvolvido na época, foi uma estratégia de Pombal para acusar a Companhia de Jesus de ser um estado dentro de outro estado e, dessa maneira, justificar a expulsão dos jesuítas do Brasil.IV - As rigorosas leis pombalinas acabaram por incentivar a "reforma geral no ensino", tornando a educação mais complexa e multiplicando as escolas e as ordens religiosas responsáveis por elas, o que deu maior desenvolvimento à cultura colonial.V - Os jesuítas não se submeteram às ordens de Pombal e reagiram apoiando o governo de D. José I. A partir do seu conhecimento sobre o assunto, assinale a alternativa CORRETA.
    • A. 

      Somente as afirmativas I, II e III são verdadeiras.

    • B. 

      Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras.

    • C. 

      Somente as afirmativas I e III são verdadeiras.

    • D. 

      Somente as afirmativas I e III são verdadeiras.

  • 4. 
    (UERGS/Adaptada) O ano de 2008 foi marcado pelas comemorações dos 200 anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil. Em 27 de novembro de 1807 D. João e a corte portuguesa transferiam-se para a América portuguesa. Enquanto isso, o exército de Napoleão Bonaparte iniciava o processo de invasão do país. Em 22 de janeiro de 1808, a corte portuguesa desembarcava em Salvador, na Bahia, primeira parada antes de seu destino final, a cidade do Rio de Janeiro. A vinda da família real para o Brasil trouxe mudanças sociais, políticas, econômicas e culturais que marcariam de forma definitiva a vida da colônia. Dentre as medidas tomadas por D. João, destacam-se:I – Abertura dos portos brasileiros liberando a importação de produtos vindos de países que mantivessem relações amigáveis com Portugal, medida que pôs fim ao pacto colonial.II – A vinda da missão artística francesa que retratou paisagens e costumes brasileiros e cujo principal representante foi o pintor Jean-Baptiste Debret.III – Convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte com o objetivo de elaborar a primeira Constituição brasileira.IV – Fundação do Banco do Brasil, da Biblioteca Real e a criação da Imprensa Régia. Quais afirmativas estão CORRETAS?
    • A. 

      Apenas I e II.

    • B. 

      Apenas II e III.

    • C. 

      Apenas I, II e III.

    • D. 

      Apenas I, II e IV.

  • 5. 
    (MACKENZIE/Adaptada) “O Brasil acabava de libertar-se do colonialismo português, mas não deixaria de conhecer outras formas de dependência. Sendo a independência brasileira, em boa parte, fruto da influência inglesa, implicou compromissos econômicos muito fortes com a Inglaterra.” (COSTA, Luís César Amad; MELLO, Leonel Itaussu A. História do Brasil. São Paulo. Scipione, 2002, p.148)O processo de independência do Brasil caracterizou-se por:
    • A. 

      Ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico como garantia de seus privilégios.

    • B. 

      Ter um sistema de ideias democráticas e reformistas, alterando o quadro social imediatamente após a independência.

    • C. 

      Evitar a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia autônoma.

    • D. 

      Grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as tropas metropolitanas.

  • 6. 
    (UNCISAL/Adaptada) Após a Independência do Brasil, a elite se dividiu entre aqueles que apoiaram a monarquia de caráter absolutista adotada por D. Pedro I, e setores mais liberais, que reivindicavam restrições ao autoritarismo do Imperador. Nesse contexto, eclodiu a Confederação do Equador (1824), que teve entre suas principais razões: 
    • A. 

      O decreto imperial que determinou o fechamento dos jornais de oposição Sentinella da Liberdade e Tífis Pernambucano, ambos alvo da censura imposta pelo governo central.

    • B. 

      A decisão imperial de substituir o governador de Pernambuco, Manuel Paes de Andrade, líder político da elite liberal que apoiava maior autonomia administrativa das províncias.

    • C. 

      O enfrentamento de setores conservadores e liberais, que desfechou uma onda de violência nas principais províncias do país, exigindo intervenção armada do governo imperial.

    • D. 

      A recusa do Imperador em negociar com os deputados liberais a extinção do tráfico de escravos pretendendo por fim à escravidão, tema que vinha ganhando apoio de parte da elite.

  • 7. 
    (UFES/Adaptada) "Havendo Eu convocado, como tinha direito de convocar, a Assembleia Geral Constituinte e Legislativa, por decreto de 03 junho do ano próximo passado, a fim de salvar o Brasil dos perigos que lhe estavam iminentes, e havendo a dita Assembleia perjurado ao tão solene juramento que prestou à nação de defender a integridade do Império, sua independência e a minha dinastia: Hei por bem dissolver a mesma Assembleia..." (LINHARES, M. Y. História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1996.)A passagem acima é parte do decreto de D. Pedro I, de 12 de novembro de 1823, que mandava cercar e evacuar o prédio no qual estava instalada a primeira Assembleia Constituinte do Brasil. Essa Constituinte foi fechada por que:
    • A. 

      Defendia a dupla cidadania – Brasil e Portugal – para brasileiros e portugueses residentes no Brasil.

    • B. 

      Previa, no projeto da Constituição, uma monarquia absolutista, na qual o rei era uma figura sagrada.

    • C. 

      Ousou desafiar o projeto de soberania do Imperador, tirando-lhe o direito não só de vetar, mas também de aprovar os atos dos constituintes.

    • D. 

      Era dominada pelo Partido Português, que defendia uma Monarquia Parlamentar como Reino Unido a Portugal.

  • 8. 
    (ACAFE-SC/Adaptada) Crises e conflitos foram uma constante no Brasil durante o Primeiro Reinado (1822-1831). Com relação a esse período, assinale a alternativa INCORRETA:
    • A. 

      A primeira Constituição, 1824, foi outorgada (imposta) e consagrava formas desiguais de representação política, como o voto censitário.

    • B. 

      A Guerra de Farrapos, iniciada no Rio Grande do Sul e posteriormente estendendo-se até Santa Catarina, causou a abdicação de Dom Pedro I.

    • C. 

      Movimento com características republicanas, a Confederação do Equador, em Pernambuco (1824), foi uma revolta contra o autoritarismo de Dom Pedro I.

    • D. 

      Nessa época, o catolicismo era a religião oficial do Império Brasileiro.

  • 9. 
    (UESPI/Adaptada) - A Constituição de 1824, resultante da dissolução da Assembleia Constituinte de 1823, marcou o início da institucionalização do poder monárquico no Brasil. É CORRETO afirma que essa Constituição:
    • A. 

      Criou o Poder Moderador de uso exclusivo do Imperador, o que na prática significava conceder-lhe poderes quase absolutos.

    • B. 

      Provocou a insatisfação em diversas províncias, estando na base da eclosão de diversas rebeliões, como a Confederação do Equador, a Sabinada e o Contestado.

    • C. 

      Determinou que representantes para o Senado e a Câmara seriam eleitos pelo voto direto e secreto.

    • D. 

      Estabeleceu a eleição pelo voto censitário para os governadores das províncias.

  • 10. 
    (PUC-RS/Adaptada) O Período Regencial, iniciado com a abdicação de D. Pedro I (1831) e encerrado com a aprovação da maioridade de D. Pedro II (1840), caracterizou-se pela:
    • A. 

      Normalidade democrática, superando as várias revoltas ocorridas contra o autoritarismo de D. Pedro I.

    • B. 

      Instabilidade política, gerada por revoltas ocorridas nas províncias, que reivindicavam maior autonomia.

    • C. 

      Proclamação de uma República Provisória, com a eleição direta dos Regentes para um mandato de quatro anos.

    • D. 

      Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal e Algarves pois, com a morte de D. João VI, D. Pedro I herdou o trono de Portugal de seu pai.

Back to Top Back to top