Simulado De Filosofia: Maquiavel

8 Questões | Total Attempts: 1662

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Simulado De Filosofia: Maquiavel

.


Questions and Answers
  • 1. 
    (UEL – 2007) “Deveis saber, portanto, que existem duas formas de se combater: uma, pelas leis, outra, pela força. A primeira é própria do homem; a segunda, dos animais. [...] Ao príncipe torna-se necessário, porém, saber empregar convenientemente o animal e o homem. [...] Sendo, portanto, um príncipe obrigado a bem servir-se da natureza da besta, deve dela tirar as qualidades da raposa e do leão, pois este não tem defesa alguma contra os laços, e a raposa, contra os lobos. Precisa, pois, ser raposa para conhecer os laços e leão para aterrorizar os lobos. Os que se fizerem unicamente de leões não serão bem-sucedidos. Por isso, um príncipe prudente não pode nem deve guardar a palavra dada quando isso se lhe torne prejudicial e quando as causas que o determinaram cessem de existir”. Fonte: MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Tradução de Lívio Xavier. São Paulo: Nova Cultural, 1993, cap, XVIII, p.101-102.Com base no texto e nos conhecimentos sobre O Príncipe de Maquiavel, assinale a alternativa correta:
    • A. 

      Os homens não devem recorrer ao combate pela força porque é suficiente combater recorrendo-se à lei.

    • B. 

      Um príncipe que interage com os homens, servindo-se exclusivamente de qualidades morais, certamente terá êxito em manter-se no poder.

    • C. 

      O príncipe prudente deve procurar vencer e conservar o Estado, o que implica o desprezo aos valores morais.

    • D. 

      Para conservar o Estado, o príncipe deve sempre partir e se servir do bem.

    • E. 

      Para a conservação do poder, é necessário admitir a insuficiência da força representada pelo leão e a importância da habilidade da raposa.

  • 2. 
    (UEL – 2005) “A escolha dos ministros por parte de um príncipe não é coisa de pouca importância: os ministros serão bons ou maus, de acordo com a prudência que o príncipe demonstrar. A primeira impressão que se tem de um governante e da sua inteligência, é dada pelos homens que o cercam. Quando estes são eficientes e fiéis, pode-se sempre considerar o príncipe sábio, pois foi capaz de reconhecer a capacidade e manter fidelidade. Mas quando a situação é oposta, pode-se sempre dele fazer mau juízo, porque seu primeiro erro terá sido cometido ao escolher os assessores”. (MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Trad. de Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2004. p. 136.)Com base no texto e nos conhecimentos sobre Maquiavel, é correto afirmar:
    • A. 

      As atitudes do príncipe são livres da influência dos ministros que ele escolhe para governar.

    • B. 

      Basta que o príncipe seja bom e virtuoso para que seu governo obtenha pleno êxito e seja reconhecido pelo povo.

    • C. 

      O povo distingue e julga, separadamente, as atitudes do príncipe daquelas de seus ministros.

    • D. 

      A escolha dos ministros é irrelevante para garantir um bom governo, desde que o príncipe tenha um projeto político perfeito.

    • E. 

      Um príncipe e seu governo são avaliados também pela escolha dos ministros.

  • 3. 
    (UEM – Verão 2008 - Adaptado) Maquiavel inaugura o pensamento político moderno. Seculariza a política, rejeitando o legado ético-cristão. Maquiavel tem uma visão do homem e da política como elas são e não como deveriam ser. A política deve ater-se ao real, deve preocupar-se com a eficiência da ação e não teorizar, como fazia Platão, sobre a forma ideal de governo.Analise as assertivas abaixo:I - Para Maquiavel, o príncipe virtuoso é aquele que governa com justiça, estabelecendo, entre seus súditos, a igualdade social e uma participação político-democrática.II - Maquiavel redefine as relações entre ética e política, não julga mais as ações políticas em função de uma hierarquia de valores dada de antemão, mas em função da necessidade dos resultados que as ações políticas devem alcançar.III - Maquiavel faz a apologia da tirania, pois considera ser a forma mais eficiente de o príncipe manter-se no poder e garantir a segurança da ordem social e política para seus súditos.IV - Na concepção política de Maquiavel, não há uma exclusão entre ética e política, todavia a primeira deve ser entendida a partir da segunda. Para ele, as exigências da ação política implicam uma ética cujo caráter é diferente da ética praticada pelos indivíduos na vida privada.V - Para Maquiavel, a sociedade é dividida entre os grandes, isto é, os que possuem o poder político e econômico, e o povo oprimido. A sociedade é cindida por lutas sociais, não pode, portanto, ser vista como uma comunidade homogênea voltada para o bem comum.Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s)
    • A. 

      II apenas.

    • B. 

      I, II e III apenas.

    • C. 

      II, IV e V apenas.

    • D. 

      IV e IV apenas.

    • E. 

      IV apenas.

  • 4. 
    (IFRN -2009). Assinale a alternativa correta:Nicolau Maquiavel foi diferente dos teólogos medievais e de seus contemporâneos ao fundamentar as suas teorias políticas porque partiu:
    • A. 

      Da Bíblia para fundamentar as suas teorias políticas.

    • B. 

      Do direito romano para a construção do seu pensamento político.

    • C. 

      Porque partiu das obras dos filósofos greco-romanos para construir a sua teoria política.

    • D. 

      Da experiência real do seu tempo para fundamentar o seu pensamento político.

    • E. 

      Do mundo das ideias, conforme Platão.

  • 5. 
    Maquiavel contradiz a visão de política dos pensadores mais antigos afirmando como princípios que regulam as ações de um príncipe os conceitos de Virtú (virtude) e Fortuna (sorte). Sobre essa questão, ASSINALE a única alternativa  CORRETA: 
    • A. 

      A Virtú consiste num conjunto fixo de qualidades morais opostas à fortuna. Virtú é a capacidade do príncipe para ser rígido nunca mudando.

    • B. 

      Virtú e Fortuna significam, simultaneamente, a justiça e a busca do bem comum.

    • C. 

      Um príncipe nunca deve mudar com a fortuna, deve ser sempre constante. Independente das circunstâncias, nunca será cruel nem mentirá, será generoso e honrado.

    • D. 

      Tanto Virtú quanto Fortuna obedecem a lógica racional da justiça.

    • E. 

      A fortuna é sempre favorável para quem deseja agarrá-la. É a sorte que se oferece como presente para quem é ousado e está disposto a vencê-la.

  • 6. 
    (IFRN – 2009 adaptado)  Assinale a alternativa correta:Segundo O príncipe, de Maquiavel, toda cidade está dividida em dois desejos opostos: 
    • A. 

      O desejo dos grandes de oprimir e comandar e o desejo do povo de não ser oprimido nem comandado.

    • B. 

      O desejo do povo de ser bem guiado e o desejo dos grandes em ser um bom pastor para o povo.

    • C. 

      O desejo do povo por um herói que os salve e a falta de vontade dos grandes em serem heróis do povo.

    • D. 

      O desejo dos grandes em oprimir e comandar e o desejo do povo em participar um dia dessa opressão

    • E. 

      O desejo dos grandes em ajudar o povo e o desejo do povo em se libertar.

  • 7. 
    (UEL 2005) Em O Príncipe, Maquiavel (1469-1527) formulou ideias e conceitos que firmaram a sua reputação de o fundador da Ciência Política moderna. Dentre elas, pode-se citar os aspectos relacionados às ações políticas dos governantes e à dominação das massas. Para ele, a política deveria ser compreendida pelo governante como uma esfera independente dos pressupostos religiosos que até então a impregnavam. Ao propor a autonomia da política (esfera da vida pública e da ação dos dirigentes políticos) sobre a ética (esfera da vida privada e da conduta moral dos indivíduos), é legítimo afirmar que Maquiavel não deixou, entretanto, de reconhecer e valorizar a religião como uma importante dimensão da vida em sociedade. Segundo Maquiavel, a religião dos súditos deveria ser objeto de análise atenta por parte do governante. Sobre a relação entre política e religião, de acordo com Maquiavel, é correto afirmar:
    • A. 

      A religião deve ser cultivada pelo governante para garantir que ele seja mais amado do que temido.

    • B. 

      Por se constituírem em personagens importantes na vida política de uma comunidade, os líderes religiosos devem formular as ações a serem executadas pelos príncipes.

    • C. 

      O sentimento religioso dos súditos é um valor moral e, portanto, deverá ser combatido pelo príncipe, uma vez que conduz ao fanatismo e prejudica a estabilidade do Estado.

    • D. 

      A religião dos súditos é sempre um instrumento útil nas mãos do Príncipe, o qual deve aparentar ser virtuoso em matéria religiosa.

    • E. 

      O dirigente político deve se esforçar para tornar-se, também, o dirigente religioso de seu povo, rompendo, assim, com o preceito do Estado laico.

  • 8. 
    (FUVEST 2009) Nicolau Maquiavel, em 1513, na Itália renascentista, escreveu: Um príncipe não pode observar todas as coisas a que são obrigados os homens considerados bons, sendo frequentemente forçado, para manter o governo, a agir contra a caridade, a fé, a humanidade, a religião. (...) O príncipe não precisa possuir todas as qualidades (ser piedoso, fiel, humano, íntegro e religioso), bastando que aparente possuí-las. Um príncipe, se possível, não deve se afastar do bem, mas deve saber entrar para o mal, se a isso estiver obrigado. (Adaptado de Nicolau Maquiavel. O Príncipe. ) Indique qual das afirmações está claramente expressa no texto:
    • A. 

      Os homens considerados bons são os únicos aptos a governar.

    • B. 

      O príncipe deve observar os preceitos da moral cristã medieval.

    • C. 

      Fidelidade, humanidade, integridade e religiosidade são qualidades indispensáveis ao governante.

    • D. 

      O príncipe deve sempre fazer o mal, para manter o governo.

    • E. 

      A aparência de ter qualidades é mais útil ao governante do que possuí-las.

Back to Top Back to top