Simulado Comunidade Educativa- 1º Dia

41 Questes | Total Attempts: 174

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Simulado Comunidade Educativa- 1 Dia

Olá, alunos! 
Vocês irão fazer apenas uma prova de Lingua Estrangeira (Espanhol ou Inglês). Se iniciar com Espanhol e você escolheu Inglês, só pular as 5 (cinco) primeiras questões e vice-versa.
A redação feita, se possível enviem aqui e para o professor da matéria pelo WhatsApp! Caso ele não receba, vocês não receberão a nota da redação.
Façam uma boa prova, com atenção e sem pressa.
No final do Simulado vocês receberão a nota.  
Sucesso!


Questions and Answers
  • 1. 
    ENEM El Hombre Electrónic ¿Cuántas veces has cambiado de móvil? ¿Cuántos ordenadores has tenido ya? ¿Tienes cámara digital, IPOD, Nintendo Wii y televisión de pantalla de plasma? Ordenadores, teléfonos móviles, GPS, walkmans, televisiones, lavadoras, tostadores, aspiradores y un larguísimo etcétera. Todos usamos aparatos eléctricos que tarde o temprano se convertirán en residuos. El Hombre Electrónico mide 7 metros de altura y pesa 3,3 toneladas. Es una escultura hecha con la cantidad de residuos eléctricos y electrónicos que un ciudadano medio (en el Reino Unido) tirará a la basura a lo largo de su vida, si se sigue consumiendo este tipo de productos al ritmo actual. El Hombre Electrónico ha sido diseñado por el escultor Paul Bomini con objetivo de aumentar la conciencia de los ciudadanos a la hora de consumir aparatos eléctricos. Esta campaña parte de la base de que todos compramos aparatos electrónicos como herramientas de trabajo u ocio, pero haciéndonos unas cuantas preguntas podemos inducir cambios en nuestro comportamiento que beneficiarán al medio ambiente, otras personas y a nosotros mismos: ¿Tienes algún aparato eléctrico o electrónico que no necesitas? ¿Podrías ser más responsable a la hora de comprar un nuevo producto electrónico? ¿Podrías reciclar o reparar estos productos una vez que se han quedado obsoletos o se han roto? ¿Intentas ahorrar energia en tu vida diaria? Disponível em: www.verdecito.es. Acesso em: 20 fev. 2009 (adaptado). Considerando a necessidade de assumir uma conduta mais responsável com o meio ambiente, Paul Bomini criou a escultura O homem eletrônico para
    • A. 

      Incentivar inovações em reciclagem para a construção de máquinas.

    • B. 

      Propor a criação de objetos a partir de aparelhos descartados.

    • C. 

      Divulgar o lançamento de produtos eletrônicos sustentáveis.

    • D. 

      Problematizar o descarte inconsequente de equipamentos.

    • E. 

      Alertar sobre as escolhas tecnológicas da população.

  • 2. 
    ENEM Que hay de cierto en la fábula de la cigarra y la hormiga Cuenta una conocida fábula que, tras pasar todo un verano cantando y ociosa, una cigarra se encontró sin alimento y decidió pedir a su vecina, la hormiga algo que llevarse a la boca. Esta le ofreció granos de arroz acompañados de una moraleja: más vale prevenir que lamentar. ¿Merecen su fama de previsoras y afanosas las hormigas? Sin duda. Las hormigas cortadoras de hojas (Atta cephalotes), por ejemplo, son consideradas las primeras agricultoras del planeta, dedicadas a cortar, acarrear e integrar hojas en el jardín de hongos del que se alimentan. Otro dato curioso es que se ha comprobado que, prácticamente en todas las especies de hormigas, las más ancianas asumen trabajos de mayor riesgo. De acuerdo con Dawid Moron de la Universidad de Jagiellonian (Polonia), esto se debe a que es mejor para la colonia sacrificar una vida que está cerca de su fin que a un individuo joven. En cuanto a las cigarras, no se les puede acusar de perezosas. Lo que sí es cierto es que los machos pasan el verano “cantando” — un sonido que producen con unas membranas llamadas timbales — y encaramados a un árbol, de cuya savia se alimentan. Disponível em: www.muyinteresante.es. Acesso em: 31 out. 2012 (adaptado). A fábula é um gênero de ampla divulgação frequentemente revisitado com diversos objetivos. No texto, a fábula A cigarra e a formiga é retomada para
    • A. 

      Apresentar ao leitor um ensinamento moral.

    • B. 

      Reforçar o estereótipo associado às cigarras.

    • C. 

      Descrever o comportamento dos insetos na natureza.

    • D. 

      Expor a superioridade das formigas em relação às cigarras.

    • E. 

      Descrever a relação social entre formigas e cigarras na natureza.

  • 3. 
    ENEM Millennials: Así es la generación que ya no recuerda cómo era el mundo sin Internet Algunos los llaman generación Y, otros “Millennials”, generación del milenio o incluso “Echo Boomers”. Nacieron y crecieron en una era de rápido desarrollo de las nuevas tecnologías, y casi no recuerdan cómo era el mundo sin Internet. Son idealistas, impacientes y están bien preparados académicamente. Muchos de ellos han tenido oportunidad de viajar por el mundo a una edad temprana, de estudiar en las mejores universidades y de trabajar en empresas multinacionales y extranjeras. La generación Y se compone de este tipo de personas que quieren todo a la vez. No están dispuestos a soportar un trabajo poco interesante y rutinario, no quieren dejar las cosas buenas para luego. Lo que sí quieren es dejar su huella en la historia, vivir una vida interesante, formar parte de algo grande, crecer y desarrollarse, cambiar el mundo que les rodea, y no solo ganar dinero. Disponível em: https://actualidad.rt.com. Acesso em: 4 dez. 2018. O texto aponta características e interesses da “Geração Y”. Nele, a expressão dejar su huella refere-se a um dos desejos dessa geração, que é o de
    • A. 

      Conhecer diferentes lugares.

    • B. 

      Fazer a diferença no mundo.

    • C. 

      Aproveitar todas as oportunidades.

    • D. 

      Obter uma formação acadêmica de excelência.

    • E. 

      Conquistar boas colocações no mundo do trabalho.

  • 4. 
    ENEM Eduardo Galeano 1976 Libertad Pájaros prohibidos Los presos políticos uruguayos no pueden hablar sin permiso, silbar, sonreír, cantar, caminar rápido ni saludar a otro preso. Tampoco pueden dibujar ni recibir dibujos de mujeres embarazadas, parejas, mariposas, estrellas ni pájaros. Didaskó Pérez, maestro de escuela, torturado y preso por tener ideas ideológicas, recibe un domingo la visita de su hija Milay, de cinco años. La hija le trae un dibujo de pájaros. Los censores se lo rompen en la entrada a la cárcel. El domingo siguiente, Milay le trae un dibujo de árboles. Los árboles no están prohibidos, y el domingo pasa. Didashkó le elogia la obra y le pregunta por los circulitos de colores que aparecen en la copa de los árboles, muchos pequeños círculos entre las ramas: — ¿Son naranjas? ¿qué frutas son? La niña lo hace callar: — Ssssshhhh. Y en secreto le explica: — Bobo, ¿no ves que son ojos? Los ojos de los pájaros que te traje a escondidas. GALEANO, E. Memoria del fuego III. El siglo del viento. Madrid: Siglo Veintiuno de España, 1986. A narrativa desse conto, que tem como pano de fundo a ditadura militar uruguaia, revela a
    • A. 

      Desvinculação social dos presos políticos.

    • B. 

      Condição precária dos presídios uruguaios.

    • C. 

      Perspicácia da criança ao burlar a censura.

    • D. 

      Falta de sensibilidade no trato com as crianças.

    • E. 

      Dificuldade de comunicação entre os presos políticos.

  • 5. 
    ENEM ¿Cómo gestionar la diversidad lingüística en el aula? El aprendizaje de idiomas es una de las demandas de la sociedad en la escuela: los alumnos tienen que finalizar la escolarización con un buen conocimiento, por lo menos, de las tres lenguas curriculares: catalán, castellano e inglés (o francés, português...). La metodologia que promueve el aprendizaje integrado de idiomas en la escuela tiene en cuenta las relaciones entre las diferentes lenguas: la mejor ensenanza de una lengua incide en la mejora de todas las demás. Se trata de educar en y para la diversidad lingüística y cultural. Por eso, la V Jornada de Buenas Prácticas de Gestión del Multilingüismo, que se celebrará en Barcelona, debatirá sobre la gestión del multilingüismo en el aula. El objetivo es difundir propuestas para el aprendizaje integrado de idiomas y presentar experiencias prácticas de gestión de la diversidad lingüística presente en las aulas. Disponível em: www10.gencat.cat. Acesso em: 15 set. 2010 (adaptado). Na região da Catalunha, Espanha, convivem duas línguas oficiais: o catalão e o espanhol. Além dessas, ensinam-se outras línguas nas escolas. De acordo com o texto, para administrar a variedade linguística nas aulas, é necessário
    • A. 

      Ampliar o número de línguas ofertadas para enriquecer o conteúdo.

    • B. 

      Divulgar o estudo de diferentes idiomas e culturas para atrair os estudantes.

    • C. 

      Privilegiar o estudo de línguas maternas para valorizar os aspectos regionais.

    • D. 

      Explorar as relações entre as línguas estudadas para promover a diversidade

    • E. 

      Debater as práticas sobre multilinguismo para formar melhor os professores de línguas.

  • 6. 
    A frase nominal “this kind of barrier” (L. 14‐15) refere‐se
    • A. 

      Ao muro de Trump na fronteira com o México.     

    • B. 

      à ponte The Gateway International Bridge 

    • C. 

      A protestos de migrantes na fronteira.        

    • D. 

      Ao muro invisível criado por práticas do governo Trump.  

    • E. 

      A medidas adotadas nos tribunais de imigração.    

  • 7. 
    Brazil must legalise drugs – its existing policy just destroys lives       For decades, guns and imprisonment have been the hallmarks of Brazil’s war against the drug trafficking. But the only way to beat the gangs is to stop creating criminals, says a top Brazilian judge       “The war raging in Rocinha, Latin America’s largest favela, has already been lost. Rooted in a dispute between gangs for control of drug trafficking, it has disrupted the daily life of the community in Rio de Janeiro since mid-September. With the sound of shots coming from all sides, schools and shops are constantly forced to close. Recently, a stray bullet killed a Spanish tourist. The war is not the only thing being lost.       For decades, Brazil has had the same drug policy approach. Police, weapons and numerous arrests. It does not take an expert to conclude the obvious: the strategy has failed. Drug trafficking and consumption have only increased. […]       In a case still before the Brazilian supreme court, I voted for decriminalising the possession of marijuana for private consumption. […]       Drugs are an issue that has a profound impact on the criminal justice system, and it is legitimate for the supreme court to participate in the public debate. So here are the reasons for my views.       First, drugs are bad and it is therefore the role of the state and society to discourage consumption, treat dependents and repress trafficking. The rationale behind legalisation is rooted in the belief that it will help in achieving these goals.       Second, the war on drugs has failed. Since the 1970s, under the influence and leadership of the US, the world has tackled this problem with the use of police forces, armies, and armaments. The tragic reality is that 40 years, billions of dollars, hundreds of thousands of prisoners and thousands of deaths later, things are worse. At least in countries like Brazil.       Third, as the American economist Milton Friedman argued, the only result of criminalisation is ensuring the trafficker’s monopoly.       With these points in mind, what would legalisation achieve?       In most countries in North America and Europe, the greatest concern of the authorities is users and the impact drugs have on their lives and on society. These are all important considerations. In Brazil, however, the principal focus must be ending the dominance drug dealers exercise over poor communities. Gangs have become the main political and economic power in thousands of modest neighbourhoods in Brazil. This scenario prevents a family of honest and hard-working people from educating their children away from the influence of criminal factions, who intimidate, co-opt and exercise an unfair advantage over any lawful activity. Crucially, this power of trafficking comes from illegality.        Another benefit of legalisation would be to prevent the mass incarceration of impoverished young people with no criminal record who are arrested for trafficking because they are caught in possession of negligible amounts of marijuana. A third of detainees in Brazil are imprisoned for drug trafficking. Once arrested, young prisoners will have to join one of the factions that control the penitentiaries – and on that day, they become dangerous.       […]       We cannot be certain that a progressive and cautious policy of decriminalisation and legalisation will be successful. What we can affirm is that the existing policy of criminalisation has failed. We must take chances; otherwise, we risk simply accepting a terrible situation. As the Brazilian navigator Amyr Klink said: “The worst shipwreck is not setting off at all.” Disponível em:    . Acesso em: 14 nov. 2017. Considering the excerpt “[...] it has disrupted the daily life of the community […]”, and the context it was taken from, mark the correct option regarding the pronoun “it”.
    • A. 

      “It” is a subject pronoun and refers back to “Rocinha”.     

    • B. 

      “It” is a possessive pronoun and refers back to “Rocinha”.

    • C. 

      “It” is a personal pronoun and refers back to “the war”.   

    • D. 

      “It” is an objective pronoun and refers back to “the war”.

  • 8. 
    IN THE MIDDLE OF THE 19th century, a relatively unknown author named Pedro Carolino rapidly gained intercontinental popularity over a small Portuguese-to-English phrasebook. English as She Is Spoke (or O novo guia da conversação em portuguez e inglez) was originally intended to help Portuguese speakers dabble in the English tongue, but was penned by a man who spoke little to no English himself. And, instead of helping Portuguese speakers learn a second language, it became a cult classic for fans of inept and unintentional humor. It quickly gained notoriety among English speakers, including author Mark Twain, who wrote the introduction for the first English edition, published in 1883. Twain expressed his approval of the book, saying “Nobody can add to the absurdity of this book, nobody can imitate it successfully, nobody can hope to produce its fellow; it is perfect.” It is presumed that Carolino wrote the book through the aid of a Portuguese-to-French dictionary and a French-to-English dictionary, using the former for an initial translation of a word or phrase from Portuguese, and the latter to convert it from French into English. The result, of course, is a mishmash of cloudy gibberish. Perhaps the most notorious section of the book is an appropriately named chapter entitled “Idiotisms and Proverbs,” which again features phrases that vary between barely understandable and completely nonsensical. Examples of Carolino’s twice-translated proverbs include: “it is better be single as a bad company”; “there is no better sauce who the appetite”; and simply “That not says a word, consent”. The book opens with a preface written in a peculiar style of English. It details the book’s intended audience, stating that it “may be worth the acceptation of the studious persons, and especially of the Youth, of which we dedicate him particularly.” Perhaps predictably, English as She Is Spoke did not become popular among Portuguese-speaking students. In fact, it was never published in Portugal, although it did find an audience 133 years later in Brazil, when it was released as a comedy title. Adaptado de LEIGHTY-PHILLIPS, Tucker. How a Portuguese-to-English Phrasebook became a cult comedy sensation. In: Atlas Obscura (online). 29 jun. 2016. Disponível em www.atlasobscura.com Em relação aos provérbios e expressões idiomáticas presentes no livro English as She Is Spoke, considere as afirmativas a seguir. I. Os provérbios e expressões trazem jogos de palavras que fazem alusões a expressões em língua portuguesa que são interpretadas como irônicas pelo falante de português. II. A tradução dos provérbios e expressões transforma as frases em combinações bizarras de palavras que fazem pouco sentido. III. O efeito cômico também é atingido através de inadequações estruturais como, por exemplo, o uso incorreto de pronomes, como “who” e “ that”, que provocam um estranhamento no leitor falante de inglês. IV. A escolha lexical inusitada dificulta a compreensão das frases pelo falante nativo de língua inglesa que as considera engraçadas por soarem incoerentes. Assinale a alternativa correta.
    • A. 

      Somente as afirmativas I e II são corretas. 

    • B. 

      Somente as afirmativas I e IV são corretas.

    • C. 

      Somente as afirmativas III e IV são corretas.          

    • D. 

      Somente as afirmativas I, II e III são corretas.        

    • E. 

      Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.      

  • 9. 
    (PUCSP 2002 – ADAPTED) Na frase “Women now become doctors at nearly the same rate as men, but they become physicians, not surgeons”, o pronome they refere-se a:
    • A. 

      Doctors

    • B. 

      Physicians

    • C. 

      Surgeons

    • D. 

      Men

    • E. 

      Women

  • 10. 
    UNESP 1989) ____ work in the field of engineering.
    • A. 

      She

    • B. 

      They

    • C. 

      He

    • D. 

      Them

    • E. 

      It

  • 11. 
    (Enem) TEXTO I O canto do guerreiro Aqui na floresta Dos ventos batida, Façanhas de bravos Não geram escravos, Que estimem a vida Sem guerra e lidar. — Ouvi-me, Guerreiros, — Ouvi meu cantar. Valente na guerra, Quem há, como eu sou? Quem vibra o tacape Com mais valentia? Quem golpes daria Fatais, como eu dou? — Guerreiros, ouvi-me; — Quem há, como eu sou? (Gonçalves Dias.) TEXTO II Macunaíma (Epílogo) Acabou-se a história e morreu a vitória. Não havia mais ninguém lá. Dera tangolomângolo na tribo Tapanhumas e os filhos dela se acabaram de um em um. Não havia mais ninguém lá. Aqueles lugares, aqueles campos, furos puxadouros arrastadouros meios-barrancos, aqueles matos misteriosos, tudo era solidão do deserto... Um silêncio imenso dormia à beira do rio Uraricoera. Nenhum conhecido sobre a terra não sabia nem falar da tribo nem contar aqueles casos tão pançudos. Quem podia saber do Herói? (Mário de Andrade.) Considerando-se a linguagem desses dois textos, verifica-se que
    • A. 

      A função da linguagem centrada no receptor está ausente tanto no primeiro quanto no segundo texto.

    • B. 

      A linguagem utilizada no primeiro texto é coloquial, enquanto, no segundo, predomina a linguagem formal.

    • C. 

      Há, em cada um dos textos, a utilização de pelo menos uma palavra de origem indígena.

    • D. 

      A função da linguagem, no primeiro texto, centra-se na forma de organização da linguagem e, no segundo, no relato de informações reais.

    • E. 

      A função da linguagem centrada na primeira pessoa, predominante no segundo texto, está ausente no primeiro.

  • 12. 
    (Enem-2012) Desabafo Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que esqueci ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária eletrônica. Recados chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado. CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento). Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções da linguagem, com o predomínio, entretanto, de uma sobre as outras. No fragmento da crônica Desabafo, a função da linguagem predominante é a emotiva ou expressiva, pois
    • A. 

      O discurso do enunciador tem como foco o próprio código.

    • B. 

      A atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito.

    • C. 

      O interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem.

    • D. 

      O referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais.

    • E. 

      O enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação.

  • 13. 
    (Enem) O telefone tocou. — Alô? Quem fala? — Como? Com quem deseja falar? — Quero falar com o sr. Samuel Cardoso. — É ele mesmo. Quem fala, por obséquio? — Não se lembra mais da minha voz, seu Samuel? Faça um esforço. — Lamento muito, minha senhora, mas não me lembro. Pode dizer-me de quem se trata? (ANDRADE, C. D. Contos de aprendiz. Rio de Janeiro: José Olympio, 1958.) Pela insistência em manter o contato entre o emissor e o receptor, predomina no texto a função
    • A. 

      Metalinguística

    • B. 

      Fática

    • C. 

      Referencial

    • D. 

      Emotiva

    • E. 

      Conativa

  • 14. 
    (Enem-2014) Há o hipotrélico. O termo é novo, de impensada origem e ainda sem definição que lhe apanhe em todas as pétalas o significado. Sabe-se, só, que vem do bom português. Para a prática, tome-se hipotrélico querendo dizer: antipodático, sengraçante imprizido; ou talvez, vicedito: indivíduo pedante, importuno agudo, falta de respeito para com a opinião alheia. Sob mais que, tratando-se de palavra inventada, e, como adiante se verá, embirrando o hipotrélico em não tolerar neologismos, começa ele por se negar nominalmente a própria existência. (ROSA, G. Tutameia: terceiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001) (fragmento). Nesse trecho de uma obra de Guimarães Rosa, depreende-se a predominância de uma das funções da
    • A. 

      Metalinguística, pois o trecho tem como propósito essencial usar a língua portuguesa para explicar a própria língua, por isso a utilização de vários sinônimos e definições.

    • B. 

      Referencial, pois o trecho tem como principal objetivo discorrer sobre um fato que não diz respeito ao escritor ou ao leitor, por isso o predomínio da terceira pessoa.

    • C. 

      Fática, pois o trecho apresenta clara tentativa de estabelecimento de conexão com o leitor, por isso o emprego dos termos “sabe-se lá” e “tome-se hipotrélico”.

    • D. 

      Poética, pois o trecho trata da criação de palavras novas, necessária para textos em prosa, por isso o emprego de “hipotrélico”.

    • E. 

      Expressiva, pois o trecho tem como meta mostrar a subjetividade do autor, por isso o uso do advérbio de dúvida “talvez”.

  • 15. 
    (Enem-2010) A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, se divide em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma tem múltiplos mecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações. DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. Predomina no texto a função da linguagem
    • A. 

      Emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia.

    • B. 

      Fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.

    • C. 

      Poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem.

    • D. 

      Conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor.

    • E. 

      Referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.

  • 16. 
    Ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. É só o amor, é só o amor; Que conhece o que é verdade; O amor é bom, não quer o mal; Não sente inveja ou se envaidece. O amor é o fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. Ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É um não contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; É um estar-se preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É um ter com quem nos mata a lealdade; Tão contrário a si é o mesmo amor. Estou acordado e todos dormem todos dormem, todos dormem; Agora vejo em parte, mas então veremos face a face. É só o amor, é só o amor; Que conhece o que é verdade. Ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. (Monte Castelo, Renato Russo. Do álbum As quatro estações, Legião Urbana) Analisando a letra da música Monte Castelo, pode-se afirmar que a figura de linguagem predominante é:
    • A. 

      Metonímia.

    • B. 

      Paradoxo.

    • C. 

      Antítese.

    • D. 

      Prosopopeia.

    • E. 

      Hipérbole.

  • 17. 
    (ENEM-2004) Cidade grande Que beleza, Montes Claros. Como cresceu Montes Claros. Quanta indústria em Montes Claros. Montes Claros cresceu tanto, ficou urbe tão notória, prima-rica do Rio de Janeiro, que já tem cinco favelas por enquanto, e mais promete. (Carlos Drummond de Andrade) Entre os recursos expressivos empregados no texto, destaca-se a
    • A. 

      Metalinguagem, que consiste em fazer a linguagem referir-se à própria linguagem.

    • B. 

      Intertextualidade, na qual o texto retoma e reelabora outros textos.

    • C. 

      Ironia, que consiste em se dizer o contrário do que se pensa, com intenção crítica.

    • D. 

      Denotação, caracterizada pelo uso das palavras em seu sentido próprio e objetivo.

    • E. 

      Prosopopéia, que consiste em personificar coisas inanimadas, atribuindo-lhes vida.

  • 18. 
    (ENEM-2007) O açúcar O branco açúcar que adoçará meu café nesta manhã de Ipanema não foi produzido por mim nem surgiu dentro do açucareiro por milagre. Vejo-o puro e afável ao paladar como beijo de moça, água na pele, flor que se dissolve na boca. Mas este açúcar não foi feito por mim. Este açúcar veio da mercearia da esquina e tampouco o fez o Oliveira, [dono da mercearia. Este açúcar veio de uma usina de açúcar em Pernambuco ou no Estado do Rio e tampouco o fez o dono da usina. Este açúcar era cana e veio dos canaviais extensos que não nascem por acaso no regaço do vale. (…) Em usinas escuras, homens de vida amarga e dura produziram este açúcar branco e puro com que adoço meu café esta manhã em Ipanema. Ferreira Gullar. Toda Poesia. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 1980, p. 227-8. A antítese que configura uma imagem da divisão social do trabalho na sociedade brasileira é expressa poeticamente na oposição entre a doçura do branco açúcar e
    • A. 

      O trabalho do dono da mercearia de onde veio o açúcar.

    • B. 

      O beijo de moça, a água na pele e a flor que se dissolve na boca.

    • C. 

      O trabalho do dono do engenho em Pernambuco, onde se produz o açúcar.

    • D. 

      A beleza dos extensos canaviais que nascem no regaço do vale.

    • E. 

      O trabalho dos homens de vida amarga em usinas escuras.

  • 19. 
    ENEM 2014 Os meios de comunicação podem contribuir para a resolução de problemas sociais, entre os quais o da violência sexual infantil. Nesse sentido, a propaganda usa a metáfora do pesadelo para
    • A. 

       informar crianças vítimas de violência sexual sobre os perigos dessa prática, contribuindo para erradicá-la.

    • B. 

      Denunciar ocorrências de abuso sexual contra meninas, com o objetivo de colocar criminosos na cadeia.

    • C. 

      Dar a devida dimensão do que é abuso sexual para uma criança, enfatizando a importância da denúncia.

    • D. 

      Destacar que a violência sexual infantil predomina durante a noite, o que requer maior cuidado dos responsáveis nesse período.

    • E. 

      Chamar a atenção para o fato de o abuso infantil durante o sono, sendo confundido por algumas crianças com um pesadelo.

  • 20. 
    ENEM 2011 O argumento presente na charge consiste em uma metáfora relativa à teoria evolucionista e ao desenvolvimento tecnológico. Considerando o contexto apresentado, verifica-se que o impacto tecnológico pode ocasionar:
    • A. 

      O surgimento de um homem dependente de um novo modelo tecnológico.

    • B. 

      A mudança do homem em razão dos novos inventos que destroem sua realidade.

    • C. 

      A problemática social de grande exclusão digital a partir da interferência da máquina.

    • D. 

      A invenção de equipamentos que dificultam o trabalho do homem, em sua esfera social.

    • E. 

      O retrocesso do desenvolvimento do homem em face da criação de ferramentas como lança, máquina e computador.

  • 21. 
    TEMA: Atenção à saúde mental no mundo globalizado. Texto 1. Saúde mental no mundo Quando pensamos na área da saúde mental, todos os indicadores encorajadores da evolução mundial desaparecem. Em contraste com a evolução, os indicadores relacionados à saúde mental no mundo apresentam resultados cada vez mais desafiadores e complexos: estima-se que cerca de 1,1 bilhão de pessoas sofram de algum problema mental, o que representa de 15 a 20% da população mundial. . Pensamos em agravantes externos que contribuem para tornar os indicadores ainda mais complexos, vamos tratar do uso abusivo de drogas e álcool. Baixa notificação de casos de transtornos mentais devido à complexidade do diagnóstico, estigma social para dois pacientes e baixo número de estudos na área, contribuindo para o lento progresso da área. Para explorar as doenças mentais mais comuns, tememos a prevalência de depressão, ansiedade, transtorno bipolar, transtornos alimentares e esquizofrenia.  (psicologiaviva.com.br) Texto 2. Os transtornos de ansiedade incluem fobia, transtorno obsessivo-compulsivo, estresse pós-traumático e ataque de pânico. O suicídio é a terceira principal causa externa de morte no Brasil, atrás apenas de acidentes e agressões, com 12,5 mil casos em 2017, segundo o Ministério da Saúde (MS). Em 2015, 788 mil pessoas morreram por suicídio no mundo. Isso representou quase 1,5% de todas as mortes no planeta, figurando entre as 20 principais causas de morte em 2015. Entre os jovens entre 15 e 29 anos, o suicídio foi a segunda maior causa de morte. Segundo a OMS, ou número de pessoas com transtornos mentais comuns, como depressão e transtorno de ansiedade, especialmente em países de baixa renda, a população está crescendo cada vez mais. Isso significa que mais pessoas chech com mais freqüência do que depressão e ansiedade são mais frequentes.  (hursosantahelena.org.br) Texto 3. A globalização e as mudanças tecnológicas têm transformado padrões de trabalho e de emprego, muitas vezes contribuindo para intensificar o estresse relacionado ao trabalho, disse o diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, na quarta-feira (27), na ocasião do Dia Mundial de Saúde e Segurança no Trabalho. “Os altos níveis de desemprego, em particular na ausência de medidas adequadas de proteção social, também podem ter consequências indesejáveis para a saúde mental dos trabalhadores”, disse o chefe da organização. Ou estresse relacionado a ou trabalho afeta pessoas de todas as profissões nos países desenvolvidos e em desenvolvimento da mesma forma, segundo ou diretor-geral da OIT. "Ele pode prejudicar seriamente não apenas dois trabalhadores, mas também, e frequentemente, ou estar com suas famílias", disse ele em um comunicado. Segundo Ryder, o estresse ou dois trabalhadores com consequências para as empresas, na forma de redução do desempenho geral, aumento de faltas e rotatividade de pessoas, além de dificuldades nas relações de trabalho. “Mais dados e análises são necessários para quantificar totalmente os custos financeiros do estresse e da falta de trabalho, mas é claro que o ônus é considerado”, disse Ryder. (nacoesunidas.org)
  • 22. 
    “Os europeus ocidentais, com exceção de alguns comerciantes empreendedores, italianos e judeus, conheciam apenas vaga e fragmentariamente as grandes civilizações asiáticas e norte-africanas. Estas, por sua vez, sabiam pouco ou nada da Europa que existia no norte dos Pirineus e da África ao sul do Sudão (…), e desconheciam tudo acerca da América. Foram os pioneiros portugueses e os conquistadores castelhanos da orla ocidental da cristandade que uniram, para o melhor e para o pior, os ramos diversificadores da grande família humana.” (Charles Boxer, O Império Marítimo Português, 1415-1825) Acerca da expansão marítima e de suas consequências, podemos afirmar que:
    • A. 

      Proporcionou uma fase de pleno desenvolvimento socioeconômico no continente africano, decorrente da implantação, por parte de Portugal, de um sistema de colonização conhecido como colônia de povoamento.

    • B. 

      Propiciou o primeiro contato entre os europeus e os habitantes do que, anos depois, viria a ser chamado de América. Como resultado desse contato, os habitantes do Novo Mundo entraram numa fase de grande desenvolvimento.

    • C. 

      Desencadeou uma profunda crise econômica em Portugal, conhecida por "Revolução dos preços", uma vez que a colonização acabou por empobrecer o reino português ao consumidor muitos de seus recursos

    • D. 

      Estimulou e consolidou a emergência do capitalismo mercantil no velho continente e foi responsável pela ampliação dos horizontes físicos e mentais do homem europeu.

    • E. 

      Foi responsável pela transferência do eixo econômico do Atlântico para o mar Mediterrâneo e pelo contato entre os europeus, africanos e habitantes do Novo Mundo

  • 23. 
    (Fgv) Sobre os povos dos sambaquis, é incorreto afirmar que:
    • A. 

      Sendo nômades, ocuparam a faixa amazônica, deslocando-se durante milhares de anos, do Marajó a Piratininga;

    • B. 

      Sedentários, viviam da coleta de recursos marítimos e de pequenas caças;

    • C. 

      As pesquisas arqueológicas demonstram que tais povos desenvolveram instrumentos de pedra polida e de ossos;

    • D. 

      Na chegada dos primeiros invasores europeus, esses povos já se encontravam subjugados por outros grupos sedentários;

    • E. 

      Esses povos viveram na faixa litorânea, entre o Espírito Santo e o Rio Grande do Sul, basicamente dos recursos que o mar oferecia.

  • 24. 
    (PUC-SP)           “Quem quer passar além do Bojador, Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.” (Fernando Pessoa, “Mar Português”, in Obra poética. Rio de Janeiro,Editora José Aguilar, 1960, p. 19) O trecho de Fernando Pessoa fala da expansão marítima portuguesa. Para entendê-lo, devemos saber que:
    • A. 

      A "dor" representa as doenças, desconhecidas dos europeus, mas existentes nas terras a serem conquistadas pelas expedições.

    • B. 

      Bojador" é o ponto ao extremo sul da África e que atravessá-lo significava encontrar o caminho para o Oriente.

    • C. 

      O "mar" citado é o oceano Índico, onde estão localizadas as Índias, objeto principal dos navegadores.

    • D. 

      O "abismo" refere-se à crença, então generalizada, de que a Terra era plana e que, num determinado ponto, acabaria, fazendo caírem os navios

    • E. 

      A menção a "Deus" indica a suposição, à época, de que o Criador era contrário ao desbravamento dos mares e que puniria os navegadores.

  • 25. 
    (UFMG) Leia o texto. “A língua de que [os índios] usam, toda pela costa, é uma: ainda que em certos vocábulos difere em algumas partes; mas não de maneira que se deixem de entender. (...) Carece de três letras, convém a saber, não se acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, porque assim não tem Fé, nem Lei, nem Rei, e desta maneira vivem desordenadamente (...)." (GANDAVO, Pero de Magalhães, História da Província de Santa Cruz, 1578.) A partir do texto, pode-se afirmar que todas as alternativas expressam a relação dos portugueses com a cultura indígena, exceto:
    • A. 

      A busca de compreensão da cultura indígena era uma preocupação do colonizador.

    • B. 

      A desorganização social dos indígenas se refletia no idioma.

    • C. 

      A diferença cultural entre nativos e colonos era atribuída à inferioridade do indígena.

    • D. 

      A língua dos nativos era caracterizada pela limitação vocabular.

    • E. 

      Os signos e símbolos dos nativos da costa marítima eram homogêneos.

Back to Top Back to top