Simulado 3ª Série - Redação - Fasei

10 Questes | Total Attempts: 107

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Simulado 3 Srie - Redao - Fasei

Simulado 3a série - Redação - Professora Jacqueline Spies


Questions and Answers
  • 1. 
    (UFMT) - Universidade Federal de Mato Grosso     O trecho O trabalho não tira só a escola das crianças, tira a infância também. pode ser reescrito, sem alterar o sentido, de diversas maneiras. Assinale a reescritura que NÃO conserva o sentido.
    • A. 

      O trabalho não tira só a escola das crianças, mas também a infância

    • B. 

      O trabalho, além de tirar a escola das crianças, tira a infância também

    • C. 

      O trabalho, além de tirar a escola das crianças, tira a infância também

    • D. 

      O trabalho tira a escola das crianças, logo tira a infância também

    • E. 

      O trabalho tira a escola e a infância das crianças

  • 2. 
    (CESGRANRIO/RJ) - Fundação CESGRANRIO –   TEXTO I Eloqüência singular Mal iniciara seu discurso, o deputado embatucou: – Senhor presidente: não sou daqueles que... O verbo ia para o singular ou para o plural? Tudo indicava o plural. No entanto, podia perfeitamente ser o singular: – Não sou daqueles que... Não sou daqueles que recusam... No plural soava melhor. Mas era preciso precaver-se contra essas armadilhas da linguagem – que recusa? – ele que tão facilmente caía nelas e era massacrado com um aparte. Não sou daqueles que... Resolveu ganhar tempo. (Fernando Sabino) TEXTO II Papos – Me disseram... – Disseram-me. – Hein? – O correto é “disseram-me”. Não “me disseram”. – Eu falo como quero. E te digo mais... Ou é “digo-te”. – O quê? – Digo-te que você... – O “te” e o “você” não combinam. – Lhe digo? – Também não. O que ia me dizer? – Que você está sendo grosseiro, pedante e chato. E que eu vou te partir a cara. Lhe partir a cara. Partir a sua cara. Como é que se diz? – Partir-te a cara. – Pois é. Parti-la hei de, se você não parar de me corrigir. (Luís Fernando Veríssimo) Um aspecto comum aos textos I e II é a (o):
    • A. 

      Desvalorização da norma culta da língua portuguesa;

    • B. 

      Despreocupação com a modalidade falada do português;

    • C. 

      Desmerecimento das pessoas que não usam a normaconfronto entre a norma gramatical e o uso da língua;

    • D. 

      Confronto entre a norma gramatical e o uso da língua;

    • E. 

      Fato de que os personagens não sabem Português.

  • 3. 
    (ITA/SP) - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (...) As angústias dos brasileiros em relação ao português são de duas ordens. Para uma parte da população, a que não teve acesso a uma boa escola e, mesmo assim, conseguiu galgar posições, o problema é sobretudo com a gramática. É esse o público que consome avidamente os fascículos e livros do professor Pasquale, em que as regras básica do idioma são apresentadas de forma clara e bem-humorada. Para o segmento que teve oportunidade de estudar em bons colégios, a principal dificuldade é com clareza. É para satisfazer a essa demanda que um novo tipo de profissional surgiu: o professor de português especializado em adestrar funcionários de empresas. Antigamente, os cursos dados no escritório eram de gramática básica e se destinavam principalmente a secretárias. De uns tempos para cá, eles passaram a atender primordialmente gente de nível superior. Em geral, os professores que atuam em firmas são acadêmicos que fazem esse tipo de trabalho esporadicamente para ganhar um dinheiro extra. “É fascinante, porque deixamos de viver a teoria para enfrentar a língua do mundo real”, diz Antônio Suárez Abreu, livre-docente pela Universidade de São Paulo (...)   (JOÃO GABRIEL DE LIMA. Falar e escrever, eis a questão. Veja, 7/11/2001, n. 1725) Aponte a alternativa que contém uma inferência que não pode ser feita com base nas idéias explicitadas no texto:
    • A. 

      Freqüentemente, uma boa escola é uma espécie de passaporte para a ascensão.

    • B. 

      O conjunto que abrange “gente de nível superior” não contém o subconjunto “secretárias”.

    • C. 

      No âmbito da Universidade, os estudos da língua estão prioritariamente voltados para a prática lingüística.

    • D. 

      A escola de qualidade inferior não favorece o aprendizado da gramática.

    • E. 

      O conhecimento gramatical não garante que as pessoas se expressem com clareza.

  • 4. 
    - (PUC-SP) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo   Os cinco sentidos   Os sentidos são dispositivos para a interação com o mundo externo que têm por função receber informação necessária à sobrevivência. É necessário ver o que há em volta para poder evitar perigos.   O tato ajuda a obter conhecimentos sobre como são os objetos. O olfato e o paladar ajudam a catalogar elementos que podem servir ou não como alimento. O movimento dos objetos gera ondas na atmosfera que são sentidas como sons.   As informações, baseadas em diferentes fenômenos físicos e químicos, apresentam-se na natureza de formas muito diversas. Os sentidos são sensores cujo desígnio é perceber, de modo preciso, cada tipo distinto de informação. A luz é parte da radiação magnética de que estamos rodeados. Essa radiação é percebida através dos olhos. O tato e o ouvido baseiam-se em fenômenos que dependem de deformações mecânicas. O ouvido registro ondas sonoras que se formam por variações na densidade do ar, variações que podem ser captadas pelas deformações que produzem em certas membranas. Ouvido e tato são sentidos mecânicos. Outro tipo de informação nos chega por meio de moléculas químicas distintas que se desprendem das substâncias. Elas são captadas por meio dos sentidos químicos, o paladar e o olfato. Esses se constituem nos tradicionais cinco sentidos que foram estabelecidos já por Aristóteles.   (SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento. São Paulo: Iluminuras, 2001.)   A leitura atenta do texto permite afirmar que:
    • A. 

      A classificação dos sentidos estabelecida por Aristóteles é rejeitada pela autora que propõe novas categorias;

    • B. 

      O tópico frasal do 1.º parágrafo apresenta uma definição de sentidos, enquanto o desenvolvimento do parágrafo retoma e amplia três deles: o tato, o olfato e o paladar;

    • C. 

      Os sentidos são sensores que têm a função específica de perceber cada tipo distinto de informação, seja ela baseada em fenômeno físico ou químico ;

    • D. 

      Tanto o ouvido quanto o olfato podem captar as informações trazidas pelas moléculas químicas;

  • 5. 
    (UFSCAR/SP) - Universidade Federal de São Carlos - Ethos – ética em grego – designa a morada humana. O ser humano separa uma parte do mundo para, moldando-a ao seu jeito, construir um abrigo protetor e permanente. A ética, como morada humana, não é algo pronto e construído de uma só vez. O ser humano está sempre tornando habitável a casa que construiu para si. Ético significa, portanto, tudo aquilo que ajuda a tornar melhor o ambiente para que seja uma morada saudável: materialmente sustentável, psicologicamente integrada e espiritualmente fecunda. Na ética há o permanente e o mutável. O permanente é a necessidade do ser humano de ter uma moradia: uma maloca indígena, uma casa no campo e um apartamento na cidade. Todos estão envolvidos com a ética, porque todos buscam uma morada permanente. O mutável é o estilo com que cada grupo constrói sua morada. É sempre diferente: rústico, colonial, moderno, de palha, de pedra… Embora diferente e mutável, o estilo está a serviço do permanente: a necessidade de ter casa. A casa, nos seus mais diferentes estilos, deverá ser habitável. (BOFF, Leonardo. In: A águia e a galinha. Petrópolis: Vozes, 1997, pp. 90-91.) Leia o texto e assinale a alternativa correta:
    • A. 

      O autor afirma que o ser humano constrói a sua proteção na ética grega – morada humana.

    • B. 

      O autor, objetivamente, constrói o seu jeito de tornar habitável a casa que construiu para si.

    • C. 

      O permanente e o mutável são apenas estilos que, segundo o autor, referem-se à psiquê e ao espírito.

    • D. 

      A permanência e a mutabilidade são características que o autor aponta como básicas para que o ser humano atinja ou uma maloca, ou uma casa ou um apartamento.

    • E. 

      O autor revela que há permanência e mutabilidade na ética que, como morada humana, é uma construção constante de um ambiente saudável .

  • 6. 
    - (ITA/SP) - Instituto Tecnológico de Aeronáutica - Questão 264:  Leia, a seguir, o texto em que Millôr Fernandes parodia Manuel Bandeira: Os três últimos versos de Millôr Fernandes exprimem:
    • A. 

      A inconseqüência dos governantes

    • B. 

      A má vontade dos políticos;

    • C. 

      A ignorância do povo;

    • D. 

      A pobreza de espírito das elites;

    • E. 

      A loucura das mulheres no governo

  • 7. 
    (ITA/SP) - Instituto Tecnológico de Aeronáutica - Questão 266: Assinale a interpretação sugerida pelo seguinte trecho publicitário. "Fotografe os bons momentos agora, porque depois vem o casamento."
    • A. 

      O casamento não merece fotografias.

    • B. 

      A felicidade após o casamento dispensa fotografias.

    • C. 

      Os compromissos assumidos no casamento limitam os momentos dignos de fotografia .

    • D. 

      O casamento é uma segunda etapa da vida que também deve ser registrada.

    • E. 

      O casamento é uma cerimônia que exige fotografias exclusivas.

  • 8. 
    (FUVEST/SP) - Fundação Universitária para o Vestibular - Questão 267:  – Mandaram ler este livro... Se o tal livro for fraquinho, o desprazer pode significar um precipitado mas decisivo adeus à literatura; se for estimulante, outros virão sem o peso da obrigação. As experiências com que o leitor se identifica não são necessariamente as mais familiares, mas as que mostram o quanto é vivo um repertório de novas questões. Uma leitura proveitosa leva à convicção de que as palavras podem constituir um movimento profundamente revelador do próximo, do mundo, de nós mesmos. Tal convicção faz caminhar para uma outra, mais ampla, que um antigo pensador romano assim formulou: Nada do que é humano me é alheio. (Cláudio Ferraretti, inédito) O sentido da frase Nada do que é humano me é alheio é equivalente ao desta outra construção:
    • A. 

      O que não diz respeito ao Homem não deixa de me interessar;.

    • B. 

      Tudo o que se refere ao Homem diz respeito a mim

    • C. 

      Como sou humano, não me alheio a nada;

    • D. 

      Para ser humano, mantenho interesse por tudo;

    • E. 

      A nada me sinto alheio que não seja humano.

  • 9. 
    (FUVEST/SP) - Fundação Universitária para o Vestibular - Questão 268: De acordo com o texto, a identificação do leitor com o que lê ocorre sobretudo quando:
    • A. 

      Ele sabe reconhecer na obra o valor consagrado pela tradição da crítica literária;

    • B. 

      Ele já conhece, com alguma intimidade, as experiências representadas numa obra;

    • C. 

      A obra expressa, em fórmulas sintéticas, a sabedoria dos antigos humanistas;

    • D. 

      A obra o introduz num campo de questões cuja vitalidade ele pode reconhecer ;

    • E. 

      A obra expressa convicções tão verdadeiras que furtam à discussão.

  • 10. 
    (FUVEST/SP) - Fundação Universitária para o Vestibular - Questão 272:  Antônio. Assim se chamava meu pai, vindo de Piracicaba, cidade do interior de São Paulo.(...) Foi saco de pancada quando pequeno, pois meu avô paterno levava ao exagero a filosofia do "quem dá o pão dá o ensino". No entanto nunca se referiu de maneira rancorosa a esses castigos, nem achou necessário desforrar-se em mim do tanto que havia apanhado. Quando as coisas não lhe agradavam, preferia gargalhar num jeito muito seu, que lembrava bola de pingue-pongue descendo lentamente uma escada. Duas vezes apenas botou de lado esse tipo de reação. (Mário Lago. Na rolança do tempo) Considere as seguintes afirmações: I. A frase "quem dá o pão dá o ensino" é a que apresenta marcas mais visíveis do gênero narrativo, ao qual pertence o texto. II. Em "nem achou necessário" expressa-se juízo subjetivo do narrador: III. A expressão "duas vezes apenas", na última frase, aponta para exceções que confirmam a validade deuma regra habitual, formulada na frase anterior: Em relação ao texto, está correto somente o que se afirma em:
    • A. 

      I;

    • B. 

      II,

    • C. 

      III,

    • D. 

      I e II,

    • E. 

      II e III

Back to Top Back to top