Simulado 02 - PreparatÓrio Intensivo Para O Exame De SuficiÊncia Do CRC

50 Questions | Total Attempts: 75

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Simulado 02 - Preparatrio Intensivo Para O Exame De Suficincia Do CRC

Caro aluno (a), seja bem-vindo ao primeiro simulado disponibilizado pelo curso o X da Questão, que possui o objetivo de preparar seu desepenho para o exame que está se aproximando. Siga as instruções abaixo e bom simulado! Lembre-se de ler atentamente as instruções gerais e as instruções específicas para cada questão; Distribua seu tempo em função do tipo de questão e sua dificuldade; Esteja atento ao controle de tempo. Há questões que podem ser respondidas em poucos segundos, mas há outras que levam mais tempo. Saber equacionar o tempo é extremamente importante; Procure responder a todas as questões, mesmo fazendo uso de c


Questions and Answers
  • 1. 
    Uma Sociedade Empresária adquiriu um equipamento de uso por R$150.000,00 e pagou da seguinte forma: 30% à vista, em dinheiro, e o restante em três parcelas mensais e iguais sem juros. Nessa operação, houve incidência de 12% referentes ao ICMS não recuperável. Para a contabilização da operação, não foi considerado o Ajuste a Valor Presente por não ser relevante. Após a contabilização dessa operação, o patrimônio da Sociedade Empresária evidenciará um aumento líquido:
    • A. 

      A) no Passivo, de R$ 45.000,00.

    • B. 

      B) em Fornecedores Nacionais, de R$45.000,00.

    • C. 

      C) em Máquinas e Equipamentos, de R$105.000,00.

    • D. 

      D) no Ativo, de R$105.000,00.

  • 2. 
    Uma Sociedade Empresária efetuou o recebimento por caixa de uma duplicata no valor de R$10.000,00, paga em atraso, com incidência de juros de mora no valor de R$500,00, o que totalizou um recebimento de R$10.500,00. O registro contábil do recebimento dessa duplicata é:
    • A. 

      A) Débito: Duplicatas a Receber                                    R$ 10.500,00    Crédito: Caixa                                                               R$ 10.000,00    Crédito: Juros de Mora - Despesas Financeiras         R$ 500,00

    • B. 

      B) Débito: Caixa                                                                 R$ 10.500,00    Crédito: Juros de Mora - Despesas Financeira        R$ 500,00    Crédito: Duplicatas a Receber                                     R$ 10.000,00

    • C. 

      C) Débito: Duplicatas a Receber                                    R$ 10.500,00    Crédito: Juros de Mora - Receita Financeira           R$ 500,00    Crédito: Caixa                                                                R$ 10.000,00

    • D. 

      D) Débito: Caixa                                                                R$ 10.500,00    Crédito: Juros de Mora - Receita Financeira           R$ 500,00    Crédito: Duplicatas a Receber                                    R$ 10.000,00

  • 3. 
    Uma Sociedade Empresária iniciou suas atividades em janeiro de 2015. Ao final do ano, apresentou os saldos abaixo, após a destinação do resultado. Com base nos dados apresentados, ao final do ano o montante do Imobilizado é de:
    • A. 

      A) R$17.280,00.

    • B. 

      B) R$25.203,00.

    • C. 

      C) R$29.320,00.

    • D. 

      D) R$31.067,00.

  • 4. 
    Assinale a opção que apresenta apenas contas classificadas no Ativo Não Circulante.
    • A. 

      A) Ações de Emissão Própria em Tesouraria, Marcas e Patentes, Duplicatas a Receber a Longo Prazo.

    • B. 

      B) Duplicatas a Receber a Longo Prazo, Propriedades para Investimento e Imóveis de Uso.

    • C. 

      C) Imóveis de Uso, Ações de Emissão Própria em Tesouraria, Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata.

    • D. 

      D) Marcas e Patentes, Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata e Propriedades para Investimento.

  • 5. 
    Uma Sociedade Empresária apresentou, em 30.6.2016, os seguintes dados retirados do seu Balancete de Verificação e a fórmula de Liquidez Geral: Considerando-se apenas os dados apresentados, é CORRETO afirmar que o Índice de Liquidez Geral é de, aproximadamente:
    • A. 

      A) 0,96.

    • B. 

      B) 2,25.

    • C. 

      C) 5,53.

    • D. 

      D) 6,29.

  • 6. 
    Um coordenador de manutenção, desejoso por verificar a qualidade dos serviços de sua equipe, desenvolveu alguns indicadores de desempenho, entre os quais o Indicador de Retrabalho – IR. Os serviços realizados por sua equipe não envolvem a aplicação de material, e todas as reclamações apresentadas pelos seus exigentes clientes são analisadas pelo coordenador técnico. Em caso de reclamação procedente, os custos de retrabalho são cobertos integralmente pela entidade, que refaz o trabalho já realizado anteriormente, sem custas para o cliente. O Indicador de Retrabalho – IR, segundo o coordenador, deve ser interpretado de acordo com a lógica representada pela figura a seguir: A quantidade de serviços refeitos em um período corrente, mas referente a um período anterior, é imaterial e não necessita, segundo análise do coordenador, de segregação. Esses casos são acatados como do próprio período em análise. Considerando-se apenas as informações apresentadas, assinale, entre as fórmulas abaixo, aquela que corresponde a uma medição para o Indicador de Retrabalho – IR mencionado, cuja unidade de medida seja porcentagem dos serviços refeitos em relação ao total de serviços realizados no mesmo período.
    • A. 

      A) IR =      número de serviços refeitos no período         x 100            número total de serviços realizados no período

    • B. 

      B) IR = número total de serviços realizados no período x 100                    número de serviços refeitos no período

    • C. 

      C) IR = (     número total de serviços realizados no período atual        x 100) - 100                  número total de serviços realizados no período anterior

    • D. 

      D) IR = (     número total de serviços refeitos no período atual       x 100) - 100                 número total de serviços refeitos no período anterior

  • 7. 
    A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) tem como objetivo fundamental apresentar as variações ocorridas nas contas que transitam pelo patrimônio líquido. No contexto das variações do patrimônio líquido, uma variação evidenciada na DMPL que reduz a capacidade operacional da empresa é a
    • A. 

      A) destinação de lucros para remuneração dos acionistas.

    • B. 

      B)  incorporação do lucro líquido do exercício social.

    • C. 

      C) nova reserva constituída pela alienação de bônus de subscrição.

    • D. 

      D) reversão do lucros a realizar para lucros acumulados.

  • 8. 
    Em relação à Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I.A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL é uma demonstração de apresentação obrigatória pela Lei das Sociedades por Ações. II. A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL poderá substituir a Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados – DLPA, pois as informações apresentadas na DLPA fazem parte da DMPL. III. A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL evidencia quais contas sofreram alterações e os respectivos montantes, que deram origem às transformações ocorridas no Patrimônio Líquido. IV. A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL deve evidenciar apenas as alterações ocorridas no Patrimônio Líquido relativas à parte dos acionistas não controladores. A sequência CORRETA é:
    • A. 

      A) F, V, F, V.

    • B. 

      B) F, V, V, F.

    • C. 

      C) V, F, F, V.

    • D. 

      D) V, F, V, F.

  • 9. 
    Uma Sociedade Industrial, ao analisar um determinado Ativo Imobilizado, identificou as seguintes evidências, em 31.12.2014: De acordo com a NBC TG 27 (R2) – Ativo Imobilizado, a perda por redução ao valor recuperável complementar a ser reconhecida no resultado, ao final do período de 2014, é de:
    • A. 

      A) R$120.000,00.

    • B. 

      B) R$240.000,00.

    • C. 

      C) R$1.040.000,00.

    • D. 

      D) R$1.200.000,00.

  • 10. 
    Uma sociedade empresária apresentou os seguintes dados para elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa: Dados adicionais:
    • A variação em Contas a Receber decorreu de vendas a prazo e recebimentos.
    • Os investimentos são avaliados pelo método de custo.
    • A variação no imobilizado no período decorreu de aquisições e depreciação.
    • O financiamento foi contratado no último dia do período.
    Considerando os dados fornecidos, o Caixa Consumido nas Atividades Operacionais, apurado na Demonstração dos Fluxos de Caixa, é de:
    • A. 

      A) R$10.000,00.

    • B. 

      B) R$65.000,00.

    • C. 

      C) R$72.000,00.

    • D. 

      D) R$100.000,00.

  • 11. 
    A Sociedade “A” adquiriu 100% da Sociedade “B” e obteve o seu controle, operação enquadrada como Combinação de Negócios. A Sociedade “A” obteve, ao final de suas avaliações, definida como sua data de aquisição, as seguintes informações: Considerando-se as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 15 (R3) – COMBINAÇÃO DE NEGÓCIOS e desconsiderando-se os aspectos tributários, o valor do Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura (goodwill) a ser reconhecido na data de aquisição é de:
    • A. 

      A) R$7.000.000,00.

    • B. 

      B) R$4.000.000,00.

    • C. 

      C) R$3.000.000,00.

    • D. 

      D) R$1.000.000,00.

  • 12. 
    Uma sociedade empresária realizou uma venda a prazo no valor de R$110.250,00, para recebimento em uma única parcela, após o prazo de dois anos. Observando o que dispõe a NBC TG 12 – Ajuste a Valor Presente, foi registrado um ajuste a valor presente desta operação, considerando-se uma taxa de juros composta de 5% a.a. O montante do ajuste a valor presente da operação, na data de seu registro inicial, é de:
    • A. 

      A) R$10.022,73.

    • B. 

      B) R$10.250,00.

    • C. 

      C) R$11.025,00.

    • D. 

      D) R$11.300,63.

  • 13. 
    Uma Sociedade Empresária, tributada pelo lucro real, realizou as seguintes operações com mercadorias:
    • Aquisição de 400 unidades de mercadoria pelo valor total de R$80.000,00, neste valor incluídos ICMS na alíquota de 18%; e PIS e Cofins na alíquota de 1,65% e 7,6%, respectivamente.
    • Venda de 200 unidades de mercadoria por R$70.000,00.
    • Sobre a venda, incidiram tributos nas alíquotas de: ICMS – 18%; PIS – 1,65%; e Cofins – 7,6%.
    A empresa não apresentava estoque inicial. A contribuição dessas transações para o Valor Adicionado a Distribuir, apurada em conformidade com a NBC TG 09 – Demonstração do Valor Adicionado, é de:
    • A. 

      A) R$40.900,00.

    • B. 

      B) R$37.200,00.

    • C. 

      C) R$30.000,00.

    • D. 

      D) R$21.825,00.

  • 14. 
    Uma Sociedade Empresária tem por política substituir cada máquina utilizada na produção após 5 anos de uso. Para uma determinada máquina adquirida em julho de 2016, foram apuradas as seguintes informações de vida útil:
    • Vida útil média informada pelo fabricante 15 anos
    • Durabilidade média apurada pelas publicações técnicas especializadas 12 anos
    Existe, na legislação tributária vigente, a possibilidade de se utilizar um período de 3 anos para depreciação, independentemente do real tempo de uso da máquina pela Sociedade Empresária. Considerando-se os dados informados, e de acordo com a NBC TG 27 (R3) – ATIVO IMOBILIZADO, a vida útil da máquina a ser adotada, para fins de registro contábil da depreciação, será de:
    • A. 

      A) três anos, por ser o período de tempo admitido pela legislação tributária vigente, sem revisão anual.

    • B. 

      B) cinco anos, por ser o período de tempo durante o qual a entidade espera utilizar o ativo, sujeito a revisão anual.

    • C. 

      C) doze anos, por ser a durabilidade média apurada pelas publicações técnicas especializadas, sujeito a revisão anual.

    • D. 

      D) quinze anos, por ser o prazo médio de vida útil informado pelo fabricante, sem revisão anual.

  • 15. 
    Uma Sociedade Empresária adquiriu um equipamento, que ficou disponível para uso, nas condições operacionais pretendidas pela administração, em 2.1.2012, pelo valor contábil de R$180.000,00. A vida útil do equipamento foi estimada em 10 anos e seu valor residual, em R$18.000,00. A depreciação do equipamento é calculada pelo Método Linear e não foram observados indicativos de perda durante toda a vida útil do equipamento. No dia 31.12.2016, a Sociedade Empresária vendeu esse equipamento por R$90.000,00. Considerando-se apenas as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 27 (R3) – ATIVO IMOBILIZADO, o valor contábil a ser baixado desse equipamento, em 31.12.2016, é de:
    • A. 

      A) R$72.000,00.

    • B. 

      B) R$90.000,00.

    • C. 

      C) R$99.000,00.

    • D. 

      D) R$162.000,00.

  • 16. 
    A NBC TG 28 (R3) – PROPRIEDADE PARA INVESTIMENTO estabelece que o ganho ou a perda proveniente de alteração no valor justo de propriedade para investimento deve ser reconhecido no resultado do período em que ocorra. A Lei n.º 12.973/2014 estabelece, no art. 14, que: [...] a perda decorrente de avaliação de ativo ou passivo com base no valor justo somente poderá ser computada na determinação do lucro real à medida que o ativo for realizado, inclusive mediante depreciação, amortização, exaustão, alienação ou baixa, ou quando o passivo for liquidado ou baixado, e desde que a respectiva redução no valor do ativo ou aumento no valor do passivo seja evidenciada contabilmente em subconta vinculada ao ativo ou passivo. De acordo com as normas citadas, considere as seguintes informações relativas a uma Sociedade Empresária:
    • é tributada pelo Lucro Real apurado anualmente
    • possui um terreno classificado como propriedade para Investimento, mensurado ao Valor Justo
    • em 2016 reconheceu no resultado do período uma redução, no valor de R$500.000,00, decorrente da mensuração a valor justo do terreno, com reflexo em subconta vinculada ao ativo
    Considerando-se as informações apresentadas e as normas mencionadas, e que a perda é dedutível da base de cálculo do Tributo sobre o Lucro no momento da venda, é CORRETO afirmar que, no ano de 2016, a Sociedade Empresária reconhece:
    • A. 

      A) um ganho no resultado, no valor de R$500.000,00, e efetua uma exclusão no lucro líquido para efeito de apuração do Lucro Real nesse valor.

    • B. 

      B) um ganho no resultado, no valor de R$500.000,00, e não ajusta o lucro líquido para efeito de apuração do Lucro Real.

    • C. 

      C) uma perda no resultado, no valor de R$500.000,00, e não ajusta o lucro líquido para efeito de apuração do Lucro Real.

    • D. 

      D) uma perda no resultado, no valor de R$500.000,00, e efetua uma adição no lucro líquido para efeito de apuração do Lucro Real nesse valor.

  • 17. 
    De acordo com a NBC TG 16 (R1) – ESTOQUES, estoques compreendem ativos mantidos para venda no curso normal dos negócios; em processo de produção para venda; ou na forma de materiais ou suprimentos a serem consumidos ou transformados no processo de produção ou na prestação de serviços. Assinale a opção em que NÃO constam exemplos de Estoque.
    • A. 

      A) produtos acabados e produtos em processo de produção pela entidade.

    • B. 

      B) custos de mercadorias vendidas, veículos de uso e software de uso.

    • C. 

      C) matérias-primas e materiais que aguardam utilização no processo de produção, tais como embalagens e material de consumo.

    • D. 

      D) mercadorias compradas por um varejista para revenda ou terrenos e outros imóveis para revenda.

  • 18. 
    De acordo com a NBC TG 16 (R1) – ESTOQUES, após o reconhecimento inicial, os Estoques devem ser mensurados pelo:
    • A. 

      A) custo de reposição futura ou preço bruto de venda, dos dois o maior.

    • B. 

      B) custo de reposição futura ou preço bruto de venda, dos dois o menor.

    • C. 

      C) valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o maior.

    • D. 

      D) valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor.

  • 19. 
    Uma Sociedade Empresária comercializa equipamentos de informática. Em 31.12.2016, apurou saldo da conta de Mercadorias para Revenda no valor de R$100.000,00, formado por 50 notebooks. Até então, o preço de venda praticado pela Sociedade Empresária era de R$3.000,00 a unidade. Diante do encalhe do estoque desse modelo de notebook, a Sociedade Empresária realizou uma pesquisa de mercado e identificou que seus concorrentes estavam vendendo o mesmo notebook por R$1.500,00 a unidade e, imediatamente, reduziu seu preço de venda para esse valor. Os vendedores da Sociedade Empresária recebem 10% de comissão sobre as vendas. Na mesma data, o Fornecedor dos notebooks para a Sociedade Empresária foi consultado e informou que estava comercializando o mesmo modelo de notebook por R$800,00 cada um, no atacado. Considerando-se apenas as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 16 (R1) – ESTOQUES, a Sociedade Empresária apresenta valor contábil do Estoque, em 31.12.2016, de:
    • A. 

      A) R$40.000,00, pois deve-se reconhecer perda de R$60.000,00 devido ao valor praticado atualmente pelo fornecedor.

    • B. 

      B) R$67.500,00, pois deve-se reconhecer perda de R$32.500,00, considerando –se o valor realizável líquido.

    • C. 

      C) R$135.000,00, pois deve-se considerar o preço de venda atualmente praticado, líquido das comissões sobre vendas.

    • D. 

      D) R$100.000,00, pois deve-se considerar o custo de aquisição dos 50 notebooks praticado pelos fornecedores.

  • 20. 
    Uma Sociedade Empresária apresentava, em 31.12.2016, as seguintes informações a respeito de seu estoque de mercadorias: Até 31.12.2016, não haviam sido registrados ajustes para redução ao valor realizável líquido ou ajustes a valor presente nos Estoques. Os tipos de mercadorias apresentados são avaliados separadamente. Considerando-se apenas os dados informados e de acordo com a NBC TG 16 (R1) – ESTOQUES, o saldo da conta de Estoques, em 31.12.2016, foi de:
    • A. 

      A) R$41.000,00.

    • B. 

      B) R$45.000,00.

    • C. 

      C) R$46.000,00.

    • D. 

      D) R$48.000,00.

  • 21. 
    O Departamento de Custos de uma sociedade industrial apresentou os seguintes dados: I - Referentes à produção do período: II - Referentes à distribuição dos Custos Indiretos de Fabricação: Considerando que a empresa adota o Custeio Baseado em Atividades, o custo de produção do produto 1 é de:
    • A. 

      A) R$284.040,00.

    • B. 

      B) R$289.625,00.

    • C. 

      C) R$304.850,00.

    • D. 

      D) R$328.720,00.

  • 22. 
    Uma Sociedade Empresária apresentou, no mês de agosto de 2015, os saldos abaixo: Informações adicionais:
    • Os custos de mão de obra direta foram de R$22.500,00.
    • Os custos indiretos de fabricação foram de R$27.000,00.
    • Não foram feitas compras de matérias-primas no período.
    • Não houve registros de perdas por redução ao valor realizado líquido ou de outras perdas em estoque.
    O custo dos produtos vendidos no período foi de:
    • A. 

      A) R$20.250,00.

    • B. 

      B) R$24.750,00.

    • C. 

      C) R$49.500,00.

    • D. 

      D) R$58.500,00.

  • 23. 
    Uma indústria estabeleceu os seguintes padrões de consumo de matéria-prima para cada unidade de produto fabricado: No mês de janeiro de 2014, foram produzidas 2.000 unidades de cada produto, e ocorreu o seguinte consumo de matéria-prima: Com base nos dados fornecidos e em relação ao custo com matéria-prima:
    • A. 

      A) o custo padrão superou o custo real em R$2.800,00, em decorrência de uma variação de preço desfavorável na matéria-prima A, e uma variação de quantidade desfavorável na matéria-prima B.

    • B. 

      B) o custo padrão superou o custo real em R$2.800,00,em decorrência de uma variação de quantidade desfavorável na matéria-prima A, e uma variação de preço desfavorável na matéria-prima B.

    • C. 

      C) o custo real superou o custo padrão em R$2.800,00, em decorrência de uma variação de preço desfavorável na matéria-prima A, e uma variação de quantidade desfavorável na matéria-prima B.

    • D. 

      D) o custo real superou o custo padrão em R$2.800,00,em decorrência de uma variação de quantidade desfavorável na matéria-prima A, e uma variação de preço desfavorável na matéria-prima B.

  • 24. 
    Uma Indústria fabrica dois produtos, denominados “A” e “B”, e utiliza o Método de Custeio por Absorção para apuração do custo dos seus produtos. A Indústria apresentou os seguintes dados da sua produção:
    • Os custos fixos são apropriados aos produtos na proporção do valor total da matéria-prima consumida.
    • Os dados apresentados representam o volume normal de produção.
    Considerando-se apenas as informações apresentadas, o custo unitário de produção do produto “A” é de:
    • A. 

      A) R$72,00.

    • B. 

      B) R$66,00.

    • C. 

      C) R$57,00.

    • D. 

      D) R$54,00.

  • 25. 
    Uma Sociedade Empresária apresentou os seguintes gastos mensais: Considerando-se as terminologias utilizadas em custos, assinale a opção CORRETA.
    • A. 

      A) O total dos investimentos é de R$60.000,00; e o total das despesas é de R$32.000,00.

    • B. 

      B) O total dos investimentos é de R$60.000,00; o total dos custos é de R$25.000,00; e o total das despesas é de R$7.000,00.

    • C. 

      C) O total dos investimentos é de R$85.000,00; e o total das despesas é de R$7.000,00.

    • D. 

      D) O total dos investimentos é de R$85.000,00; o total dos custos é de R$2.000,00; e o total das despesas é de R$5.000,00.

Back to Top Back to top