Quiz Surpresa Dia 20/04/2010 - DisponÍvel AtÉ As 19h!

5 Questes | Total Attempts: 88

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Quiz Surpresa Dia 20/04/2010 - DisponÍvel AtÉ As 19h!

AUMENTE SEUS PONTOS FAÇA O QUIZ SURPRESA!


Questions and Answers
  • 1. 
    (Uece 2008)       "Em 1590, a colônia brasileira já contava com 150 engenhos espalhados pelas capitanias de Pernambuco, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro. As duas primeiras, no entanto, correspondiam a 80% do total".             (Fonte: LOPEZ, Adriana. "Açúcar: esse doce objeto de desejo". Revista História Viva: Temas Brasileiros. São Paulo: Duetto Editorial, 2007, pp.20-23.)    
    • A. 

      Isenção de impostos para engenhos recém construídos e benefícios tributários sobre o açúcar.

    • B. 

      Isenção de impostos vitalícios, ou seja, enquanto o proprietário fosse vivo não pagaria nenhum tipo de imposto.

    • C. 

      Redução de pagamento de taxas na importação de mão de obra africana apenas para as capitanias do Nordeste, em virtude de sua alta produtividade.

    • D. 

      Mão de obra para os engenhos recémconstruídos e situados em Manaus e Belém, providenciada, gratuitamente, pela Coroa Portuguesa.

  • 2. 
    (Fgv 2009)  "O primeiro grupo social utilizado pelos portugueses como escravo foi o das comunidades indígenas encontradas no Brasil. A lógica era simples: os índios estavam localizados junto ao litoral, e o custo inicial era pequeno, se comparado ao trabalhador originário de Portugal. (...) No entanto, rapidamente ocorreu um declínio no emprego do trabalhador indígena."             (Rubim Santos Leão de Aquino et alii, "Sociedade brasileira: uma história através dos movimentos sociais")   O declínio a que o texto se refere e o avanço da exploração do trabalhador escravo africano podem ser explicados:
    • A. 

      pelo prejuízo que a escravização indígena gerava para os senhores de engenho que tinham a obrigação da catequese; pela impossibilidade de a Coroa portuguesa cobrar tributos nos negócios envolvendo os nativos da colônia; pela presença de uma pequena comunidade indígena nas regiões produtoras de açúcar.

    • B. 

      Pela forte oposição dos jesuítas à escravização indiscriminada dos índios; pelo lucro da Coroa portuguesa e dos traficantes com o comércio de africanos; pela necessidade de fornecimento regular de mão de obra para a atividade açucareira, em franca expansão na passagem do século XVI ao XVII.

    • C. 

      Pela imposição de escravos do norte da África, por parte dos grandes traficantes holandeses; pela determinação da Igreja católica em proibir a escravização indígena em todo Império colonial português; pelo custo menor do escravo de algumas regiões da África, como Angola e Guiné.

    • D. 

      pelos preceitos das Ordenações Filipinas, que indicavam o caminho da catequese e não o do trabalho para os nativos americanos; pelo desconhecimento, por parte dos índios brasileiros, de uma economia de mercado; pelos acordos entre o colonizador português e parte das lideranças indígenas.

    • E. 

      Pela extrema fragilidade física dos povos indígenas encontrados nas terras portuguesas na América; pelos preceitos religiosos da Contra-Reforma, que não aceitavam a escravização de povos primitivos; pela impossibilidade de encontrar e capturar índios no interior do espaço colonial.

  • 3. 
    (Puc-rio 2009)  Sobre as características da sociedade escravista colonial da América portuguesa estão corretas as afirmações a seguir, À EXCEÇÃO de uma. Indique-a.  
    • A. 

      O início do processo de colonização na América portuguesa foi marcado pela utilização dos índios - denominados "negros da terra" - como mão de obra.

    • B. 

      Na América portuguesa, ocorreu o predomínio da utilização da mão de obra escrava africana seja em áreas ligadas à agro-exportação, como o nordeste açucareiro a partir do final do século XVI, seja na região mineradora a partir do século XVIII.

    • C. 

      A partir do século XVI, com a introdução da mão de obra escrava africana, a escravidão indígena acabou por completo em todas as regiões da América portuguesa.

    • D. 

      Em algumas regiões da América portuguesa, os senhores permitiram que alguns de seus escravos pudessem realizar uma lavoura de subsistência dentro dos latifúndios agroexportadores, o que os historiadores denominam de "brecha camponesa".

    • E. 

      Nas cidades coloniais da América portuguesa, escravos e escravas trabalharam vendendo mercadorias como doces, legumes e frutas, sendo conhecidos como "escravos de ganho".

  • 4. 
    (Pucpr 2009)  "O açúcar - que se fez acompanhar sempre do negro - adoçou tantos aspectos da vida brasileira que não se pode separar dele a civilização nacional. Deu-nos as sinhás de engenho. As mulatas dengosas. Os diplomatas maneirosos, tipo barão de Penedo, barão de Itamaracá, Sérgio Teixeira. Os políticos baianos - os mais melífluos e finos do Brasil. As toadas dos cambiteiros. Os cantos das almajarras. As variações brasileiras da arte do papel rendilhado de tabuleiro de bolo e do doce de dia de festa. Os poetas de madrigais mais suaves. Alguns pregões brasileiríssimos: 'Sorvete, iaiá! É de maracujá'."             Fonte: FREYRE, Gilberto. "Açúcar". São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 55   Sobre a economia e a sociedade do Brasil colonial, marque a alternativa CORRETA:  
    • A. 

      Do ponto de vista econômico e social, o cultivo e a exportação do fumo ultrapassava em importância e quantidade a produção do açúcar brasileiro.

    • B. 

      A instalação de um engenho era um empreendimento caro. Eram necessários vários itens: propriedade, gado, pastagens, escravos, equipamentos, entre outros.

    • C. 

      A atividade de maior prestígio e importância nessa época era o comércio, deixando em segundo plano o desejo de ser senhor de engenho.

    • D. 

      A maior parte da população nesse período estava nas cidades, em especial nas regiões Sul e Sudeste.

    • E. 

      Desde o início da produção de açúcar - décadas de 1530-1540 -, o Brasil sofreu a concorrência do cultivo do açúcar nas Antilhas. Essas lavouras eram dominadas especialmente pelos espanhóis.

  • 5. 
    (Uff 2010)  Em 1980, Clara Nunes gravou Brasil Mestiço. Um de seus maiores sucessos, “Morena de Angola”, é parte integrante desse disco.   Morena de Angola   Morena de Angola Que leva o chocalho Amarrado na canela. Será que ela mexe o chocalho Ou o chocalho é que mexe com ela?   Chico Buarque   Sobre a influência angolana na mestiçagem no Brasil, deve-se considerar:  
    • A. 

      a presença angolana no Brasil é residual, sem impacto, e influenciou muito mais na área de ocupação espanhola do que na área de ocupação portuguesa nas Américas.

    • B. 

      A mestiçagem no Brasil sempre foi identificada como procedente, principalmente, de nossa herança asiática, com presença predominantemente angolana.

    • C. 

      A independência angolana estabeleceu o fim das relações com esse país, uma vez que o governo brasileiro apoiava a política colonial de Portugal.

    • D. 

      A região de Angola foi um importante reservatório de escravos para os colonizadores portugueses; parte significativa desses cativos foi enviada compulsoriamente ao Brasil.

    • E. 

      A mestiçagem constitui-se numa invenção, já que a ideia de raça tem sido reiteradamente criticada pelos biólogos e a influência angolana foi residual.

Back to Top Back to top