Mundo Grego I

10 Questűes

Settings
Please wait...
Mundo Grego I

Questões sobre os períodos Pré-Homérico, Homérico e Arcaico.


Questions and Answers
  • 1. 
    (Udesc 2017) “Mas, já que estamos a examinar qual é a constituição política perfeita, sendo essa constituição a que mais contribui para a felicidade da cidade... os cidadãos não devem exercer as artes mecânicas nem as profissões mercantis; porque este gênero de vida tem qualquer coisa de vil, e é contrário à virtude. É preciso mesmo, para que sejam verdadeiros cidadãos, que eles não se façam lavradores; porque o descanso lhes é necessário para fazer nascer a virtude em sua alma, e para executar os deveres civis. Aristóteles. A política. Livro IV, cap. VIII. A partir da citação acima e de seus conhecimentos sobre a estrutura político-social da Grécia Antiga, assinale a alternativa correta.
    • A. 

      A ideia de democracia grega est√° ligada ao fato de que todos aqueles que habitavam uma cidade-estado dispunham dos mesmos direitos e deveres, uma vez que todos os trabalhos e profiss√Ķes eram igualmente valorizados.

    • B. 

      A cidadania era uma forma de distinção social porque nem todos os habitantes de uma cidade eram considerados cidadãos. Estrangeiros e mulheres, por exemplo, não dispunham dos direitos de cidadania e não tinham direito a voto nas assembleias.

    • C. 

      As profiss√Ķes mercantis eram desencorajadas devido √† supremacia da Igreja Cat√≥lica na administra√ß√£o pol√≠tica grega, durante o Per√≠odo Cl√°ssico. Neste per√≠odo, a usura e o exerc√≠cio do lucro eram vivamente condenados por ferirem os princ√≠pios crist√£os.

    • D. 

      Todos os homens que habitavam uma cidade eram considerados cidadãos. A cidadania, na Grécia Clássica, era qualificada em ordens, sendo que os proprietários de terras eram cidadãos de primeira ordem e os trabalhadores braçais de segunda ordem. Todos, porém, tinham direito de voz e voto nas assembleias.

    • E. 

      A ideia de cidadania, descrita por Arist√≥teles, √© considerada ainda hoje um ideal, uma vez que √© plenamente inclusiva e qualifica de forma igualit√°ria todos os trabalhos e profiss√Ķes.

  • 2. 
    (Uece 2017) Apesar de surgir em torno do século VIII a.C., as poleis gregas atingiram seu apogeu nos séculos VI e V a.C. Havia muitas delas: Corinto, Tebas, Argos, Mileto, Mégara, etc. Contudo, foram Atenas e Esparta que se destacaram pelo seu predomínio. Atente ao que se diz a respeito das cidades de Atenas e Esparta do período clássico grego, e assinale com V o que for verdadeiro e com F o que for falso. ( ) Em Esparta prevaleciam os valores ligados ao “estatismo” (já que os lotes de terras doados às famílias eram propriedades estatais e não privadas) e a “militarização” que garantia a coesão e a solidariedade entre os cidadãos. ( ) Atenas vivenciou uma variedade de organizações políticas até se tornar uma “democracia”, foi inicialmente uma “monarquia” e depois uma “aristocracia”. ( ) O governo democrático de Atenas era pleno, uma vez que todos os seus habitantes tinham direitos políticos e participavam ativamente das decisões sobre a cidade. ( ) As mulheres espartanas eram mais livres que as atenienses, praticavam ginástica, tinham vida familiar reduzida (o Estado educava as crianças) e administravam os recursos familiares e o comércio, já que os maridos eram soldados. A sequência correta, de cima para baixo, é:
    • A. 

      F, F, F, V.

    • B. 

      F, V, V, F.

    • C. 

      V, V, F, V.

    • D. 

      F, F, V, V.

  • 3. 
    (Enem 2017) TEXTO I Sólon é o primeiro nome grego que nos vem à mente quando terra e dívida são mencionadas juntas. Logo depois de 600 a.C., ele foi designado “legislador” em Atenas, com poderes sem precedentes, porque a exigência de redistribuição de terras e o cancelamento das dívidas não podiam continuar bloqueados pela oligarquia dos proprietários de terra por meio da força ou de pequenas concessões. FINLEY, M. Economia e sociedade na Grécia antiga. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013 (adaptado). TEXTO II A “Lei das Doze Tábuas” se tornou um dos textos fundamentais do direito romano, uma das principais heranças romanas que chegaram até nos. A publicação dessas leis, por volta de 450 a.C., foi importante pois o conhecimento das “regras do jogo” da vida em sociedade é um instrumento favorável ao homem comum e potencialmente limitador da hegemonia e arbítrio dos poderosos. FUNARI, P. P. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2011 (adaptado). O ponto de convergência entre as realidades sociopolíticas indicadas nos textos consiste na ideia de que a
    • A. 

      Discuss√£o de preceitos formais estabeleceu a democracia.

    • B. 

      Invenção de códigos jurídicos desarticulou as aristocracias

    • C. 

      Formulação de regulamentos oficiais instituiu as sociedades.

    • D. 

      Definição de princípios morais encerrou os conflitos de interesses.

    • E. 

      Criação de normas coletivas diminuiu as desigualdades de tratamento.

  • 4. 
    "Como ocorre na atualidade, também na Antiguidade [demos] era um termo ambíguo ou polissêmico, já que em certos contextos de uso se referia ao conjunto dos cidadãos, e em outros às pessoas comuns, à parte mais pobre da população". CARDOSO, Ciro Flamarion S. A Cidade-Estado Antiga. 3. ed. São Paulo: Ática: 1990. p. 84. Apesar das democracias modernas possuírem alguns elementos que remetem à democracia ateniense, na Antiguidade percebe-se algumas características específicas, conforme sugere o fragmento acima. Considere as seguintes afirmativas. I. Os atenienses participavam diretamente das discussões e da tomada de decisões, pelo voto. II. Os escravos eram considerados bárbaros e as mulheres seres inferiores e, portanto, excluídos naturalmente de qualquer debate. Porém, os estrangeiros gozavam de direitos políticos, desde que participassem dos negócios públicos. III. Na democracia ateniense, nem todos são cidadãos, pois mulheres, escravos e estrangeiros são excluídos da cidadania. IV. Sendo uma democracia representativa, como as modernas, os atenienses participavam da Eclésia – a principal assembleia da democracia na Grécia Antiga. Assinale a alternativa correta.
    • A. 

      Somente as afirmativas I e II est√£o corretas.

    • B. 

      Somente a afirmativa II est√° correta.

    • C. 

      Somente a afirmativa III est√° correta.

    • D. 

      Somente a afirmativa IV est√° correta.

    • E. 

      Somente as afirmativas II e IV est√£o corretas.

  • 5. 
    (Fac. Albert Einstein - Medicin 2017) Por muito tempo, entre os historiadores pensou-se que os gregos formavam um povo superior de guerreiros que, por volta de 2000 a.C., teria conquistado a Grécia, submetendo a população local. Hoje em dia, os estudiosos descartam esta hipótese, considerando que houve um movimento mais complexo. Segundo o pesquisador Moses Finley, a ‘chegada dos gregos significou a introdução de um elemento novo que se misturou com seus predecessores para criar, lentamente, uma nova civilização e estendê-la como e por onde puderam’. FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2001. Adaptado. Segundo o texto, a formação da Grécia antiga ocorreu
    • A. 

      De forma negociada, por meio de alian√ßas e acordos pol√≠ticos entre os l√≠deres das principais tribos nativas da pen√≠nsula balc√Ęnica.

    • B. 

      De forma gradual, a partir da integra√ß√£o de povos provenientes de outras regi√Ķes com habitantes da parte sul da pen√≠nsula balc√Ęnica.

    • C. 

      De forma planejada, pela expans√£o militar dos povos nativos da pen√≠nsula balc√Ęnica sobre territ√≥rios controlados por grupos b√°rbaros.

    • D. 

      De forma violenta, com a submiss√£o dos habitantes originais da pen√≠nsula balc√Ęnica a conquistadores rec√©m-chegados do norte.

  • 6. 
    (Fuvest 2017) Em relação à ética e à justiça na vida política da Grécia Clássica, é correto afirmar:
    • A. 

      Tratava-se de virtudes que se traduziam na observ√Ęncia da lei, dos costumes e das conven√ß√Ķes institu√≠das pela p√≥lis.

    • B. 

      Foram prerrogativas democráticas que não estavam limitadas aos cidadãos e que também foram estendidas aos comerciantes e estrangeiros.

    • C. 

      Eram princípios fundamentais da política externa, mas suspensos temporariamente após a declaração formal de guerra.

    • D. 

      Foram introduzidas pelos legisladores para reduzir o poder assentado em bases religiosas e para estabelecer critérios racionais de distribuição.

    • E. 

      Adquiriram import√Ęncia somente no per√≠odo helen√≠stico, quando houve uma significativa incorpora√ß√£o de elementos da cultura romana.

  • 7. 
    (Puccamp 2017) Considere o texto abaixo. “Do ponto de vista territorial, uma pólis se divide em duas partes: a acrópole [...] e a ágora [...]. No entanto, se perguntássemos a um grego da época clássica o que era a pólis, provavelmente esta não seria sua definição: para ele a pólis não designava um lugar geográfico, mas uma prática política exercida pela comunidade de seus cidadãos. [...] Se no caso da pólis o conceito de cidade não se referia à dimensão espacial da cidade e sim à sua dimensão política, o conceito de cidadão não se refere ao morador da cidade, mas ao indivíduo que, pode participar da vida política.” (ROLNIK, Raquel. O que é cidade. In: PETTA, Nicolina L. e OJEDA, A. B. História, uma abordagem integrada. São Paulo: Moderna, s\d, p. 17) O conhecimento histórico e o texto permitem afirmar que na Grécia Antiga
    • A. 

      A cidadania, direito de participar da vida p√ļblica, atingia todos os habitantes da maioria das cidades-estado.

    • B. 

      O equilíbrio de poderes presente nas cidades-estado evitou a ocorrência de conflitos sociais.

    • C. 

      A lei era o resultado de discuss√Ķes entre os representantes da cidade-estado e definia o direito dos cidad√£os.

    • D. 

      A soberania dos cidadãos dotados de plenos direitos era fundamental para a existência da cidade-estado.

    • E. 

      O direito à cidadania e a organização política possibilitaram a criação da democracia em todo o país.

  • 8. 
    (Unesp 2017) Apesar de sua dispersão geográfica e de sua fragmentação política, os gregos tinham uma profunda consciência de pertencer a uma só e mesma cultura. Esse fenômeno é tão mais extraordinário, considerando-se a ausência de qualquer autoridade central política ou religiosa e o livre espírito de invenção de uma determinada comunidade para resolver os diversos problemas políticos ou culturais que se colocavam para ela. (Moses I. Finley. Os primeiros tempos da Grécia, 1998. Adaptado.) O excerto refere-se ao seguinte aspecto essencial da história grega da Antiguidade:
    • A. 

      A predomin√Ęncia da reflex√£o pol√≠tica sobre o desenvolvimento das belas-artes.

    • B. 

      A fragilidade militar de popula√ß√Ķes isoladas em pequenas unidades pol√≠ticas.

    • C. 

      A vincula√ß√£o do nascimento da filosofia com a constitui√ß√£o de governos tir√Ęnicos.

    • D. 

      A exist√™ncia de cidades-estados conjugada a padr√Ķes civilizat√≥rios de unifica√ß√£o.

    • E. 

      A igualdade social sustentada pela explora√ß√£o econ√īmica de col√īnias estrangeiras.

  • 9. 
    (Pucsp 2016) “Em termos constitucionais mais convencionais, [na Atenas antiga] o povo não só era elegível para cargos públicos e possuía o direito de eleger administradores, mas também era seu o direito de decidir quanto a todos os assuntos políticos e o direito de julgar, constituindo-se como tribunal, todos os casos importantes civis e criminais, públicos e privados. A concentração da autoridade na Assembleia, a fragmentação e o rodízio dos cargos administrativos, a escolha por sorteio, a ausência de uma burocracia remunerada, as cortes com júri popular, tudo isso servia para evitar a criação da máquina partidária e, portanto, de uma elite política institucionalizada.” M. I. Finley. Democracia antiga e moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1988, p. 37. A partir do texto, pode-se afirmar que a democracia, na Atenas antiga,
    • A. 

      Limitava a atua√ß√£o do conjunto da sociedade nas decis√Ķes e nos assuntos pol√≠ticos, que ficavam restritos √† elite intelectual e econ√īmica.

    • B. 

      Reconhecia a necessidade da tripartição do poder, com a separação e a isonomia entre o executivo, o legislativo e o judiciário.

    • C. 

      Dependia do bom funcionamento do aparato administrativo, composto por funcion√°rios est√°veis e por ampla hierarquia burocr√°tica.

    • D. 

      Permitia a ampla manifestação dos cidadãos e tinha mecanismos que impediam a perpetuação das mesmas pessoas em cargos administrativos.

  • 10. 
    (Fatec 2016) Em 2015, o noticiário internacional deu grande destaque à Grécia, país europeu que vivia uma grave crise econômica e convocou a população para decidir, via referendo, as medidas que deveriam ser adotadas pelo governo para gerir a crise. Parte da imprensa destacou o caráter democrático de tal medida e, em muitos textos, lembrou que os gregos foram os criadores da democracia.   Assinale a alternativa que indica corretamente quais são as principais diferenças entre as concepções de democracia na Antiguidade grega e no mundo contemporâneo.
    • A. 

      Na Antiguidade grega, a democracia surgiu da necessidade de administrar pa√≠ses cada vez maiores; nas democracias contempor√Ęneas, a pol√≠tica ajuda a administrar unidades menores, como as cidades.

    • B. 

      Na Antiguidade grega, o espa√ßo reservado √† atividade pol√≠tica eram os templos religiosos ou as resid√™ncias das pessoas mais importantes; nas democracias contempor√Ęneas, a atividade pol√≠tica se realiza no espa√ßo p√ļblico.

    • C. 

      Na Antiguidade grega, pol√≠tica e religi√£o eram esferas sociais separadas; nas democracias contempor√Ęneas, a no√ß√£o de cidadania vincula-se estreitamente √†s concep√ß√Ķes religiosas.

    • D. 

      Nas democracias contempor√Ęneas, a participa√ß√£o pol√≠tica √© vinculada √† renda, com o voto censit√°rio; na Gr√©cia Antiga, apenas os propriet√°rios de terras, homens e mulheres, tinham direito √† participa√ß√£o pol√≠tica.

    • E. 

      Nas democracias contempor√Ęneas, o direito √† participa√ß√£o pol√≠tica se estende a todos os grupos sociais; na Gr√©cia antiga, apenas os homens livres nascidos na p√≥lis eram considerados cidad√£os.