Reinos Bárbaros E Alta Idade Média

20 Questes | Total Attempts: 101

SettingsSettingsSettings
Please wait...
Reinos Brbaros E Alta Idade Mdia


Questions and Answers
  • 1. 
    Dentre os vários Reinos Bárbaros que se formaram na Europa, após a queda do Império Romano Ocidental, um teve grande destaque, em virtude de personagens como Clóvis e Carlos Magno. O grupo Germano organizador de tal reino foi o dos:
    • A. 

      Saxões

    • B. 

      Godos

    • C. 

      Ostrogodos

    • D. 

      Francos

    • E. 

      Vândalos

  • 2. 
    “Quando Pepino o Breve arriscou a usurpação que tantos outros tinham executado nos reinos vizinhos, quis purificá-la pela mais inatacável consagração. Primeiro, levou o papa a declarar que o título real devia caber a quem detivesse o verdadeiro poder. Depois, eleito rei pela assembléia dos grandes, fez-se ungir por S. Bonifácio, o mais ilustre dos missionários, na presença dos bispos franceses.” (Robert Lopez – O nascimento da Europa) Pepino o Breve tornou-se, assim, o primeiro rei da dinastia:
    • A. 

      Merovíngia

    • B. 

      Carolíngia

    • C. 

      Capetíngia

    • D. 

      Valois

    • E. 

      Bourbon

  • 3. 
    Muitos são os motivos apontados como responsáveis desmantelamento do Império Romano do Ocidente. Dentre o fenômeno bárbaro. Neste sentido, aponte a afirmação a seguir é verdadeira ou falsa: Em um primeiro tempo histórico (séc. I d.C.), foram os romanos que ocuparam territórios pertencentes aos bárbaros germanos.
    • A. 

      True

    • B. 

      False

  • 4. 
    A unificação da Gália deu-se sob o controle de:
    • A. 

      Clóvis, da dinastia merovíngia

    • B. 

      Carlos Magno, da dinastia carolíngia

    • C. 

      Carlos Magno, iniciador da dinastia merovíngia

    • D. 

      Carlos Martel, da dinastia capetíngia

    • E. 

      Filipe, o Belo, da dinastia carolíngia

  • 5. 
    O sistema feudal, que se constitui na Europa Ocidental entre os séculos V e X, é fruto da progressiva integração entre estruturas sociais ______ e ______, sendo o modelo clássico desse sistema estabelecido no reino dos, ______, sobretudo a partir da fragmentação do império ________
    • A. 

      Gregas – germânicas – visigodos – carolíngio

    • B. 

      Romanas – normandas – visigodos – bizantino

    • C. 

      Romanas – germânicas – francos – carolíngio

    • D. 

      Gregas – normandas – francos – bizantino

    • E. 

      Romanas – germânicas – visigodos – carolíngio

  • 6. 
    Com a queda do Império Romano do Ocidente, vários reinos bárbaros foram formados a partir do século V. Relacione os reinos bárbaros apresentados na COLUNA A às características que os identificam, elencadas na COLUNA B.  COLUNA A   1 - Reino dos Francos 2 - Reino dos Visigodos 3 - Reino dos Vândalos 4 - Reino dos Ostrogodos COLUNA B (   ) Localizou-se na Península Itálica. Seus dirigentes se esforçaram para salvaguardar o patrimônio artístico-cultural de Roma. Restauraram vários monumentos, para manter viva a memória romana. Conservaram a organização políticoadministrativa imperial, o Senado, os funcionários públicos romanos e os militares godos. (   ) Atravessou a Europa e fixou-se no norte da África. Nesse reino houve perseguição aos cristãos, cujo resultado foi a migração em massa para outros reinos, provocando falta de trabalhadores, e uma diminuição da produção. (   ) Situou-se na Península Ibérica; era o mais antigo e extenso. Ocupava estrategicamente a ligação entre o Mar Mediterrâneo e o oceano Atlântico, que lhe permitia a supremacia comercial entre a Europa continental e insular. (   ) Constituiu-se, basicamente, na antiga Gália dos romanos. Estava localizado nos territórios das atuais França e Bélgica. Foi o reino que teve, entre todos eles, maior tempo de duração, tornando-se um império, conhecido como o Império Carolíngio. Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente os parênteses, de cima para baixo.
    • A. 

      Option 1

    • B. 

      1 – 3 – 2 – 4

    • C. 

      2 – 1 – 4 – 3

    • D. 

      4 – 3 – 2 – 1

    • E. 

      2 – 1 – 3 – 4

    • F. 

      4 – 2 – 3 – 1

  • 7. 
    De um modo geral, a organização social funda-se numa especialização das atividades de duas elites, uma encarregada das funções espirituais e, a outra, da ação militar, ambas sustentadas pelo trabalho da massa camponesa. O nível de vida dos eclesiásticos e cavaleiros era ainda muito medíocre, [...] mas, se ele se elevar, se a produção agrícola aumentar, os especialistas da prece e do combate disporão de maiores riquezas para o seu lazer, para as despesas do luxo, para as empresas de conquista longínqua, para as pesquisas artísticas e intelectuais. E. Perroy (adaptado) As referências presentes no trecho acima permitem relacioná-lo à vida social e econômica
    • A. 

      Dos fenícios, em particular nas antigas cidades Estado de Biblos e Tiro.

    • B. 

      Dos romanos, ao tempo da República e dos conflitos entre patrícios e plebeus.

    • C. 

      Das tribos árabes, que habitavam, por volta do século VI, a região onde estavam as cidades de Meca e Iatreb.

    • D. 

      De reinos europeus, nos séculos em que se consolidava o sistema feudal.

    • E. 

      Dos povos pré-cabralinos, às vésperas da chegada de europeus ao continente.

  • 8. 
    No processo de organização da sociedade, os francos desenvolveram uma notável renovação na vida cultural conhecida por renascença carolíngia.  O programas cultural do governo de Carlos Magno (768– 814):
    • A. 

      Constituía parte de um pano mais amplo de preservar as obras da Antigüidade clássica, ainda que fortemente condicionado aos ensinamentos da Igreja Cristã.

    • B. 

      Inviabilizou a possibilidade do conhecimento integral dos ideais das civilizações antigas, uma vez que muitos livros foram destruídos por ordem direta do Imperador.

    • C. 

      Esteve atrelado aos ensinamentos religiosos, razão pela qual contribuiu para a produção de várias obras de caráter científico e filosófico.

    • D. 

      Limitou-se à construção de grandes monumentos, que simbolizavam a grandiosidade que o Imperador atribuía a si mesmo, desprezando os conhecimentos literários, aritméticos e geométricos.

  • 9. 
    Os reinos cristãos surgidos na Península Ibérica, na Idade Média,
    • A. 

      Formaram-se e expandiram-se a partir da luta pela expulsão dos muçulmanos, que haviam ocupado a região no século VIII.

    • B. 

      Desenvolveram um feudalismo peculiar, baseado no fortalecimento dos poderes locais e na inexistência de relações servis de produção

    • C. 

      Organizaram os Tribunais da Inquisição, o que os tornou os maiores defensores da doutrina católica na Europa ocidental.

    • D. 

      Retomaram dos visigodos os Estados formados após a queda do Império Romano, impondo-lhes sua religião.

    • E. 

      Dependeram, em sua formação, da aliança entre os monarcas e os mouros, que conduziram a Guerra de Reconquista

  • 10. 
    Em todos os países, os reis eram então considerados personagens sagradas; pelo menos em certos países, eram tidos como taumaturgos. Durante muitos séculos, os reis da França e os reis da Inglaterra (para usar uma expressão já clássica) ‘tocaram as escrófulas’: significando que eles pretendiam, somente com o contato de suas mãos, curar os doentes afetados por essa moléstia; acreditavase comumente em sua virtude medical. Durante um período apenas um pouco menos extenso, os reis da Inglaterra distribuíram a seus súditos, mesmo para além dos limites de seus Estados, os anéis (os cramprings) que, por terem sido consagrados pelos monarcas, haviam supostamente recebido o poder de dar saúde aos epilépticos e de amainar as dores musculares. (Marc Bloch - Os reis taumaturgos ) O trecho dado, da obra do historiador francês,
    • A. 

      Menciona superstições medievais que sobreviveram em tempos modernos, sem, contudo, possuir nenhum significado político ou religioso

    • B. 

      Comprova a ligação da política absolutista europeia com o charlatanismo dos curandeiros medievais

    • C. 

      Faz referência ao caráter sobrenatural que se atribuía ao poder dos reis em algumas monarquias europeias

    • D. 

      Descreve as práticas mais comuns de exercício da medicina na Idade Moderna

    • E. 

      Destaca o problema político que representavam os escrofulosos e os epilépticos para as monarquias medievais

  • 11. 
    "Esse povo legou à Europa Ocidental nesse período, a instituição que estabelecia a relação de lealdade entre os guerreiros e o chefe tribal e se constituiu no alicerce das relações feudais de suserania e vassalagem." O texto refere-se, respectivamente, aos: 
    • A. 

      Normandos e ao beneficium.

    • B. 

      Germânicos e ao comitatus

    • C. 

      Romanos e ao precarium

    • D. 

      Ostrogodos e à clientela

    • E. 

      Visigodos e ao colonato

  • 12. 
    Dentre os Reinos Bárbaros, surgidos após as invasões germânicas e o fim do Império Romano, o Reino Franco foi o mais importante, porque:
    • A. 

      Os Reis Francos se converteram ao Cristianismo e defenderam o Ocidente contra o avanço dos muçulmanos

    • B. 

      Promoveu o desenvolvimento das atividades comerciais entre o Ocidente e o Oriente, através das Cruzadas

    • C. 

      Nesse período a Sociedade Feudal atingiu sua conformação clássica e o apogeu econômico e cultural

    • D. 

      Houve uma centralização do poder e viveu-se um período de paz externa e interna, o que permitiu controlar o poder dos nobres sobre os servos

    • E. 

      Os Reis Francos conseguiram realizar uma síntese entre a cultura romana e a oriental, que serviria de inspiração ao Renascimento Cultural do século XIV

  • 13. 
    O Império Romano do Ocidente caiu em finais do século V. A sociedade romana foi destruída por motivos internos e externos ao próprio Império. As complexas causas de sua crise foram precipitadas pelo movimento dos escravos, dos colonos e das conquistas dos bárbaros.  Podemos afirmar que os bárbaros eram: 
    • A. 

      Povos comerciantes do Mediterrâneo.

    • B. 

      Tribos seminômades pastoris e guerreiras que viviam agrupadas em clãs.

    • C. 

      Grupos internos ao Império, descontentes com a crise iniciada no século III.

    • D. 

      Um conjunto de povos portadores de novas tecnologias agrárias.

    • E. 

      Tribos descendentes dos antigos etruscos que habitavam o Lácio.

  • 14. 
    Acerca da história do Império Carolíngio, é correto afirmar que:
    • A. 

      O Papa Leão III corou Carlos Magno como Imperador do “Novo Império Romano do Oriente”, cuja capital passou a ser Constantinopla.

    • B. 

      O chamado “Renascimento Carolíngio” também significou um reflorescimento das Letras e das Artes.

    • C. 

      Após a morte de Carlos Magno, o governo foi exercido por seu filho Luís, o Piedoso, que intensificou ainda mais as expedições de conquista.

    • D. 

      Carlos, o Calvo, e Luís, o Germânico, somaram esforços no sentido de manter a unidade imperial estabelecida por Luís, o Piedoso.

    • E. 

      O “Novo Império Romano do Oriente” foi desmantelado pelos exércitos mulçumanos que se estabeleceram na Península Ibérica.

  • 15. 
    “Os reinos bárbaros que emergiram da destruição do Império Romano tiveram curta duração. O reino dos ostrogodos e o dos vândalos foram conquistados pelo Império Bizantino. O reino dos visigodos acabou destruído pelos árabes. A heptarquia – sistema de governo de 7 reis, que só existiu na Inglaterra – anglosaxônica – terminou subjugada pelos normandos. Apenas o Reino Franco deitou raízes e estruturou-se na Gália.”   (Mello e Costa. História Antiga e Medieval) O texto refere-se ao período compreendido entre os séculos: 
    • A. 

      II e III a.C.

    • B. 

      III e V a.C.

    • C. 

      III e VI

    • D. 

      V e XI

    • E. 

      II e VIII

  • 16. 
    Observando os costumes políticos, tradicionalmente cultuados entre os povos germânicos, responsáveis em grande parte pela chamada “desintegração” do Império Romano do Ocidente, é correto afirmar que: 
    • A. 

      “viviam eminentemente do terror, da pilhagem e da guerra”

    • B. 

      “o poder dos reis era ilimitado e profundamente arbitrário”

    • C. 

      “o nascimento fazia os reis; e o valor militar, os chefes”

    • D. 

      “a lei era estabelecida a partir de normas escritas”

    • E. 

      “os chefes militares eram eleitos pelos sacerdotes”

  • 17. 
    As primeiras invasões bárbaras causaram transtornos ao domínio dos romanos. Iniciava-se o período conhecido como Alta Idade Média. Nesse período:
    • A. 

      O cristianismo sofreu um forte abalo, sendo desprezado pelos invasores de forma radical.

    • B. 

      O feudalismo começou a ganhar espaço, com o desmantelamento do Império Romano do Ocidente.

    • C. 

      A unidade política dos romanos foi preservada, alterando-se apenas os padrões de sua hierarquia social.

    • D. 

      A instabilidade política crescente provocou descentralizações nos reinos europeus menos poderosos.

    • E. 

      A administração de Roma foi modificada, sem, contudo, significar a vitória dos invasores.

  • 18. 
    No ano de 800, Carlos Magno foi coroado imperador, na condição simbólica de sucessor dos Augustos. Esse ato, representativo da reconstituição de um sistema imperial no ocidente europeu, consolidava a aliança tradicional entre o reino dos _________ e a _________, vínculo fortalecido pelo combate à expansão _________ naquela região do continente. 
    • A. 

      Francos ; seita cristã albigense ; bizantina

    • B. 

      Lombardos ; Igreja cristã ortodoxa ; islâmica

    • C. 

      Francos ; Igreja cristã romana ; islâmica

    • D. 

      Lombardos ; seita cristã albigense ; bizantina

    • E. 

      Francos ; Igreja cristã romana ; bizantina

  • 19. 
    Carlos Magno dividiu [seus domínios] em circunscrições. As circunscrições fronteiriças chamavam-se marcas. [...] As marcas eram bem fortificadas e serviam para a proteção do Estado contra invasões posteriores.  A frente de cada circunscrição estava um conde. O conde que chefiava uma marca chamava-se margrave. [...] Carlos Magno distribuía benefícios entre seus vassalos. Exigia deles não somente participação pessoal nas expedições militares, mas também a apresentação de homens armados. (KOMINSKY, [s.d.], p. 92).    O reinado de Carlos Magno (768-814 d.C.), na Gália, concretizou-se por desenvolver uma política que culminou com 
    • A. 

      A decadência do Império Romano, ao agregar, no seu exército, elementos bárbaros, que se sublevaram e minaram o poder do exército romano.

    • B. 

      A formação do feudalismo, através da concessão de benefícios que fortaleciam o poder local, ao estabelecer uma rede de proteção e favores.

    • C. 

      A perda da influência política e social da Igreja Católica, ao estabelecer o cesaropapismo e submetê-la ao controle do Estado.

    • D. 

      O fortalecimento do Estado Moderno, submetendo a nobreza ao controle do poder real e contribuindo para desagregar a burguesia industrial.

    • E. 

      A expulsão dos muçulmanos da Península Ibérica e a consolidação do poder dos marqueses e dos condes, em detrimento do poder real.

  • 20. 
    Sobre as invasões dos "bárbaros" na Europa Ocidental, ocorridas entre os séculos III e IX, é correto afirmar que: 
    • A. 

      Foi uma ocupação militar violenta que, causando destruição e barbárie, acarretou a ruína das instituições romanas.

    • B. 

      Se, por um lado, causaram destruição e morte, por outro, contribuíram decisivamente para o nascimento de uma nova civilização, a da Europa Cristã.

    • C. 

      Apesar dos estragos causados, a Europa conseguiu, afinal, conter os bárbaros, derrotandoos militarmente e, sem solução de continuidade, absorveu e integrou os seus remanescentes.

    • D. 

      Se não fossem elas, o Império Romano não teria desaparecido, pois, superada a crise do século III, ele passou a dispor de uma estrutura socioeconômica dinâmica e de uma constituição política centralizada.

    • E. 

      Os Godos foram os povos menos importantes, pois quase não deixaram marcas de sua presença.

Back to Top Back to top